witch lady

Free background from VintageMadeForYou

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

NO CHÃO DA COZINHA


Minha cozinha é o local mais fresco da casa durante o verão, pois há duas portas, uma diante da outra, que mantenho abertas (a não ser quando estou cozinhando, ou o fogão não fica aceso), causando uma contínua corrente de ar. Latifa adora deitar-se ali, nos azulejos frios, sentindo o vento, e só sai já ao finalzinho do dia, quando o calor arrefece.
Numa tarde muito quente, após chegar em casa cansada do calor da rua, deitei-me com ela. Imediatamente, ela virou-se de barriga para cima e encostando a cabeça na minha, dormiu. Fiquei desfrutando daquele momento, sabendo que daqui a alguns poucos anos, ela já não estará mais aqui.
Ao mesmo tempo, descobri minha casa de um ângulo que eu nunca tinha olhado: o teto branco, a parte inferior da mesa, as copas das árvores lá fora, o contato do azulejo gelado contra minhas costas. Senti o vento passando por cima de nós, e fiquei escutando as maritacas que passeavam pela tarde quente. Por um momento, esqueci-me de qualquer compromisso ou responsabilidade: não pensei nas aulas a preparar, no jantar a fazer ou nas teias de aranha que já recomeçavam a surgir no telhado da varanda. Deixei-me estar ali, naquele momento, na companhia daquele cão que confia totalmente em mim, a ponto de dormir em minha presença.


3 comentários:

  1. Ana, gosto de visitar todos os seus bolgs, mas este me atrai especialmente, talvez porque eu também ame casas em geral e a minha em particular. Este texto refrescou minha noite, neste verão escaldante que estamos enfrentando. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Passei um bom momento aqui participando deste conto tão suave e prazeroso de compartilhar.
    Aplausos Ana, parabéns...Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Ana: Lindo e de ótimo conteúdo! Fiquei pensando em sua casa em minha e até na da Lu Narbot. Realmente um texto refrescante.Os ângulos de nossa casa em que colocamos nossa alma, nossa criatividade, nos trazem momentos de reflexões e sedativos para nossos temores e dores.Viajamos com nossa alma poética em devaneios!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Parceiros

AS LUZES DO MUNDO

  (Crônica baseada em um poema de Lucia Bauer)     Ontem a noite estava cálida. Eu, meu marido e nossos dois cães nos sentamos no jardim, co...