quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

SORRISO


Nada me disse o teu sorriso
Preciso,
Forjado,
Tão isento de mágoas,
Afogado nas águas
Dos teus nadas.

Consolação que eu não pedi,
Solidariedade forçada,
Sorriso fúnebre,
Daqueles que passam nos velórios,
Sob as ceras das velas
Apagadas.








8 comentários:

  1. é Ana...este é o tipo do sorriso que mais machuca...Melhor seria quenão tivesse sido observado, afinal o sorriso deve ser aberto e certo ,cheio de amor. Muito Lindo seu poema.

    ResponderExcluir
  2. Muito objectivo o teu poema, ANA !
    Eu não sei sorrir que não seja desde cá de dentro.

    Um beijo querida Ana.

    ResponderExcluir
  3. Sorteio no Blog Papo de Mãe em parceria com a Aroeira Brinquedos Educativos para participar é simples:
    Sigam as regras e preencham o formulário.
    http://toninha-ferreira.blogspot.com.br/2014/02/sorteio-aroeira-brinquedos.html

    ResponderExcluir
  4. As coisas forçadas parecem ser carregadas de obrigações e assim tornam-se pesadas.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  5. Olá Ana,

    Sorriso bom é aquele que parte do âmago, aberto, franco e sincero. Outros são perfeitamente dispensáveis e até indesejáveis.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. Ana, o poema tendo escrito, uma imagem tem de se ser considerado belo, apesar dessa imagem poder estar distorcida.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Eis um poema feito para se apreciar, silenciar e aplaudir... Aplausos!!!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...