quinta-feira, 1 de novembro de 2012

O Velho












Teus olhos viram coisas que eu não sei


E guardam mil estórias pra contar 


De um tempo em que eu não era ainda. 






São caminhos, as marcas das tuas rugas, 


São amores, talvez risos, talvez dores, 


Despedidas, muitas idas, muitas vindas. 




Tuas mãos, agora aduncas e cansadas, 


Outrora ágeis,foram o esteio de tua vida 


E de outras vidas que chegaram pela tua. 




Esses teus braços, que abraçaram tantos sonhos, 


E pretenderam abraçar o mundo inteiro 


Pendem vazios, desobrigados de lutar. 




E quem passar pelo caminho da tua casa 


Verá no alpendre uma figura encarquilhada 


E pensará: "Um velho, apenas..." 




Mas quem ouviu tuas estórias tão antigas 


E quem bebeu tão doce vinho em teu graal 


Afirmará: "Um homem, afinal!"


4 comentários:

  1. Que beleza Ana.
    Cada um leva sua historia que jamais pode ser ignorada.
    Bela e terna inspiração.
    Meu terno abraço amiga.

    ResponderExcluir
  2. dizer que é lindo é pouco, ficou esplendido, Aninha ;)

    ResponderExcluir
  3. Um belo poema homenageando a dádiva de viver. Com o peso dos anos, não são as amarguras que encarquilham, mas a humildade de haver carregado com prazer momentos que jamais serão esquecidos.
    Tenha um excelente feriado. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. É da sabedoria que vem o reconhecimento. As marcas que o tempo deixa são trilhas vencidas e experiências guardadas. Muito lindo! Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...