sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Baile do Cafona











Minha sobrinha Carolina chega aqui em casa ontem, acompanhada de minha mãe e minha irmã. Parecia um tanto constrangida, como alguém que quer dizer alguma coisa e está se segurando. De repente, ela manda: "Mãe, será que eu falo?" E minha irmã: "Fala, pergunta, ué!"

E ela, olhando para mim e torcendo as mãozinhas: "Tia, não se ofenda... mas será que você não teria um vestido antigo, alguma coisa que você não usa há muito tempo?" Minha irmã: "Carol, não é festa do antigo, é festa do cafona!"

Àquela altura, eu estava mais confusa do que antes. Carol continua: "Então, tia, você não teria uma roupa para me emprestar para eu ir ao Baile do Cafona?"

Tensão.

Ninguém está pronto para um momento como este. Você tenta, se esmera para ter uma boa aparência. Usa roupas de marca, vai ao cabeleireiro, faz as unhas, cuida da pele. E de repente, uma sobrinha te pede emprestado um vestido para ir ao baile do cafona.

Examinei, mentalmente, o meu armário, antes de responder. Não costumo guardar coisas que não uso, mas de repente, eu visualizei, lá no fundo, o vestido vermelho de babados sobrepostos. Comprei-o para ir a um casamento, e ele só me deu azar. Durante a festa, havia um barman fazendo 'performances.' Uma delas, consistia em encher a boca de querosene e cuspir fogo. E ele o fez justamente na hora que eu ia passando pelo bar, e como o teto era baixo, ele cuspiu todo o querosene em cima do meu vestido vermelho de babados sobrepostos.

Ninguém está pronto para um momento como aquele, também. Querosene, além de feder, deixa uma mancha gordurosa. Passei o resto da festa fedendo a querosene, e com uma enorme mancha de gordura na frente do vestido. Algumas gotas respingaram no meu cabelo, que ficou um lixo. Pingava querosene do meu chanel com ponta. Em casa, seguindo conselhos, deixei-o de molho em água com detergente de cozinha e a mancha, após uns três dias, acabou saindo. O cheiro demorou um pouco mais.

Na segunda vez que usei o vestido - uma noite de natal - também derramei alguma coisa nele que não me lembro o que foi, e na terceira, quando cheguei em casa, vi que um dos babados estava soltando, descosturado. Enfim, aposentei o vestido fatídico e esqueci-me dele.

Minha sobrinha ficou muito satisfeita com o presente. Experimentou-o e ficou desfilando pelo meu quarto, dando gargalhadas. Bem, eu não achei graça nenhuma... Caramba! Como eu tive coragem de usar aquilo? E para completar, ela ainda tirou o babado da pala, 'para ficar menos cafona,' e pregou umas lantejoulas em volta da gola.

Mas para tudo na vida existe um propósito, e com certeza, o destino daquele vestido horroroso e enfeitiçado -pois eu voluntariamente o peguei no cabide daquela loja, um dia, trazendo-o para minha vida- era ser modelo de baile do cafona. Bem feito para ele!

Espero que a Carolina se divirta, receba muitos elogios pelo seu vestido voo doo e fique longe , bem longe, de garçons que fazem performances.

3 comentários:

  1. Ana!!!! Você me deixou com os olhos mareados com o comentário que me deixou hoje. Comecei meu dia da forma mais linda que poderia começar. Obrigada, minha querida!

    ResponderExcluir
  2. Eis uma escolha difícil. Se fosse eu não teria como escolher, pois meu guarda roupa está cheio de cafonice, só que finjo que não sei. Emprestar um seria uma confissão muito séria.

    ResponderExcluir
  3. KKK, Muito boa a saga deste vestido.
    Oxalá a sobrinha não tenha azar com ele.
    Queremos o relatorio do baile cafona.
    Este pedido ninguem merece,kkkk
    Dei boa gargalhada nesta tarde,imaginando sua cara.
    Um abração.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...