Conclusão





Talvez um dia
Concluas
Que aquelas luas
Que vias
Andando à toa, nas ruas,
Eram só uma.

Tua vista
Dividida, distorcida,
Partia a lua,
Partia a vida,
Partias,
Ausências doídas...

Talvez um dia
Me olhes
E vejas
Que afinal, sou bem menos
Pesada, em tua peleja,
Bem mais amável
Do que desejas...

Talvez um dia, o monstro
Que tu criaste,
Te olhe , enfim,
E as pupilas
Sejam bem claras,
Não ferinas...

Talvez um dia, tu cheires
A flor temida
Da vida
E descubras
Que o perfume
Era doce
O tempo todo,
Embora os pés
Pisem o lodo.

Talvez um dia 
Percebas
Que afinal, sou apenas
Uma alma
Como tantas
Que guarda em si a criança
Adormecida
Com a qual lutas.

Talvez um dia concluas
(Quando eu não mais estiver)
Que eu era doce,
Que me amavas,
Talvez tu sintas
A minha falta
No do coração
Que hoje te falta.


*
 

Comentários

  1. Fico quieto perguntando/ onde tanta maestria/ no cantar mundo distante/ uma doce alforria/ fui guerreiro/lutei sóis/vi luz e fantasias/deixei noivas no altar da eterna agonia/ buscando alma encontrar/ na volúpia da anistia.Fiz agora para seu julgamento. Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, Ana, belíssimo! Os caminhos que percorreu nos versos foram magistralmente descritos. Parabéns! Bjs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

Sentidos

VIDA