sábado, 3 de novembro de 2012

DESTINOS

...


E eu nem sequer percebi
O quanto esse meu destino
Ao teu estava ligado!

Destinos entrelaçados
De mãos dadas caminhando
Ao futuro inesperado!

E eu nem sequer notei
Que o teu passo estava atado
A cada passo que eu dou!

Escolhi outros caminhos
Mas na bruma que me cerca
Tua presença me assombrava!

Pois da sombra, és a luz
Que a projeta sobre mim,
És a nau do meu barquinho...

O teu nome está no meu
Quando, a folha do viver,
Ao final do dia, assino!

Sempre escuto outras batidas
Às minhas intercaladas
Quando o meu coração falha...

E hei de morrer de fome
De sede e de esquecimento
Sem ter alguém que me valha,

Mas no último momento
Teu amor me envolverá
No pano de minha mortalha...

3 comentários:

  1. Apesar de não concordar muito com a ideia de destino, gostei muito de seu poema...

    Até mais Ana...

    ResponderExcluir
  2. Sempre lindos os seus escritos... "Teu amor me envolverá
    No pano de minha mortalha..."...sela um grande amor
    desses que a gente sabe que vai até o fim .... pbéns ... abraços

    ResponderExcluir

  3. Boa tarde Ana!! Vim agradecer sua vista e por sempre da vida ao meu blog, deixando lindos comentários. Saiba que sempre que te vejo no meu cantinho, é uma injeção de ânimo para que eu possa continuar com este maravilhoso trabalho que esta blogsfera nos oferece. Sua presença é muito importante e eu agradeço de todo coração.
    Como diz um poeta desconhecido:
    “Há pessoas que como estrelas
    irradiam o brilho de sua luz interior
    transformando a própria essência
    em uma existência de carinho e
    sensibilidade”.
    Você é uma pessoa iluminada!!!
    Que Jesus continue te protegendo e irradiando de beleza para que você e toda sua família sejam muito felizes. Abraços uma linda tarde de Domingo e um início de semana abençoado.
    Lourdes Duarte
    http://professoralourdesduarte.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...