quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Erótico ou Caótico?






Há muitos anos, a mulher vem lutando para ter o seu espaço e sair debaixo dos dogmas e convenções onde foi colocada pela igreja, pela sociedade e por ela mesma - já que é ela a principal responsável pela educação das crianças, pois passa mais tempo com elas, e por isso, são as mães que mais contribuem para a formação do caráter de seus filhos. Se existem machistas, não será porque , após o almoço de domingo, as mães dizem às meninas: "Venha ajudar-me na cozinha," e aos meninos: "Vá assistir ao jogo com o papai?"

Bem, de qualquer forma, viver é aprender, e muito caminho já foi percorrido neste processo de libertação da mulher. E eu entendo por libertação, não o feminismo, que é apenas uma masculinização feminina, uma competição onde a mulher entrou para perder, já que ao invés de definir um lugar para si, tenta tomar o lugar dos homens.

Conquistar um lugar ao sol, não significa tomar o lugar de outrem, mas estabelecer fronteiras e pontos de intersecção, onde se possa inter-agir adequadamente, sem subestimações e sem conflitos desnecessários. Hoje, a mulher trabalha, ocupa posições de liderança, diz o que pensa (e deste direito, eu jamais abrirei mão) e não precisa mais temer os homens, nem submeter-se a qualquer tipo de violência 'pelo bem da família.' Acredito que isto foi um grande progresso.

Uma pena que estejamos, aos poucos, retornando ao ponto de partida, através de mulheres-objeto, ou mulheres-bunda, que sentem orgulho em serem chamadas de 'cachorras,' 'periguetes,' 'preparadas,' e outros adjetivos muito mais que pejorativos. E ainda escrevem livros promovendo o sadomasoquismo, ou seja, a total submissão aos caprichos de homens egoístas, cruéis  e pervertidos. E ainda chamam a isto de erotismo... triste mundo em que vivemos!

A banalidade grassa no mundo. De repente, alguma coisa - devido ao capricho com que é tratada pela mídia, pois existe esta facilidade - é tão massivamente divulgada, que torna-se moda. E poucos se preocupam em saber o que aquilo realmente significa... não é um grito de liberdade coletivo, e sim, um grito de independência financeira individual, que favorecerá a apenas uma pessoa.

Existe no mundo de hoje um vazio tão grande, que qualquer um pode tornar-se um guru; basta que, para isto, grite com autoridade e persuasão uma idiotice qualquer, e terá seguidores, defensores, praticantes e divulgadores. Aonde vamos chegar com isto? A total gelificação cerebral! É preciso aprender  a observar, pensar, considerar e concluir, e não apenas seguir a Grande Massa. É preciso que cuidemos das nossas almas com mais carinho e atenção. Não somos bonecas infláveis.

4 comentários:

  1. Minha querida Ana,
    Parabéns por este belo e sensato texto que fala das mulheres e de uma realidade tão atual.
    Concordo plenamente com o que vc disse. E, um viva para as mulheres como nós, que não são "mulheres bunda".
    Beijos no seu coração,
    Martha
    apareça, viu?

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Menina, a coisa vem tomando rumos que só por Deus. Mas acredite é disso que o povo gosta, e elas sentem-se as grandes mulheres, as grandes musas.
    Eu não sabia que a mulher inteligente e com talento seria pelo seu físico e por bordões a elas dirigidos.
    Seu post merece aplausos e eu te nota 1000.
    Obrigado pela visita no meu cantinho e por comentar.
    Tenha um lindo fim de semana com muita luz e paz.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  3. Olá minha querida Ana! Fantástico este artigo que escreveu em relação aos avanços alcançados pelas mulheres, como voc~e escreveu maravilhodsamente bem, ' muitos caminhos já foram pecorridos mas ainda é preciso avançar. Ainda existe preconceito, posso citar um que ainda hoje com meus alunos de Socilogia estavamos fazendo uma reflexão: Muitas mulheres exercem trabalhos que antes era só para homens, elas fazem tão ou melhor que muitos homens, mas o sálário é menor. Considero isto discriminação.
    Desculpe querida me emploguei porque como te falei trabalhamos em sala de aula temas desta categoria. Para completar minha aula, salvei e exibirei pra elas este maravilhoso texo e depois indicarei uma interpretação. Obrigada por compartilhar. Bjuss uma linda noite.

    ResponderExcluir
  4. Muito interessante e verdadeiro este teu texto, minha querida.
    Concordo com muitos pontos que você abordou, um deles é que o machismo vem de casa. Desde permitir que o filho ouça músicas que depreciem a mulher, até a assistir programas do gênero, e simplesmente fechar os olhos.
    Bjs

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...