segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Retratos






O sol se põe sobre a roupa que seca,
Beijada pelo vento brando.
Varais de panos e cores
Nas ruas do meu pensamento.

Um aroma de café
Viajando com a brisa.
Pão fresco,
Tilintar de talheres e copos
Na mesa posta.

Outras brisas, outros cheiros,
Ecos de risos
Que soaram em outras tardes...

Mas o tempo é tão ligeiro!...


*

5 comentários:

  1. Olá Ana, que tudo esteja bem contigo!

    Alguns dias e cheiros nos trazem tão boas lembranças. E são momentos que até podemos viver parecidos, porém, iguais aos de antes, não mais. O inclemente tempo não permite, nem espera, segue sempre em frente e a frente de tudo!
    Bela postagem, um escrito de intenso sentir, ainda que saudoso, é um belo sentir e expressa deveras tua sensibilidade, é por isso que gosto muito de vir por cá, parabéns e obrigado por compartilhar!
    E eu agradecido por tua amizade e visitas sempre gentis desejo que tenha em teu viver a felicidade intensa, grande abraço e até mais!

    ResponderExcluir
  2. Meu nome é António Batalha, estive a ver e ler algumas coisas de seu blog, achei-o muito bom, e espero vir aqui mais vezes. Meu desejo é que continue a fazer o seu melhor, dando-nos boas mensagens.
    Tenho um blog Peregrino e servo, se desejar visitar ia deixar-me muito honrado.
    Ps. Se desejar seguir meu blog será uma honra ter voce entre meus amigos virtuais, decerto irei retribuir com muito prazer. Siga de forma que possa encontrar o seu blog.
    Deixo a minha benção e a paz de Jesus.

    ResponderExcluir
  3. Neste bailar de emoções com lembranças lindas desfilando pelos varais da memoria,ficou lindo e visual minha amiga.
    Meu abraço.

    ResponderExcluir
  4. Mais que um poema, uma literal PORRADA... Aplausos amiga!

    ResponderExcluir
  5. Quanta coisa teu poema disse em brevíssimo espaço. Bom demais ler-te. Beijos

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...