terça-feira, 30 de outubro de 2012

Tempestade em New York






Um furacão, e de repente, a evidência do quanto somos frágeis. Uma cidade imensa - a capital do mundo - precisa, literalmente, parar; Wall Street, Brooklin, Broadway. Tudo parado. Ruas vazias. O coração do mundo em silêncio. As pessoas em suas casas, protegidas (?) por barricadas de comida e água. Supermercados vazios. 

A repórter no vigésimo oitavo andar de um prédio, transmitindo as notícias e sem saber como fará para voltar para junto dos seus, já que a energia do prédio foi cortada. Ela diz que seus filhos estão seguros em um hotel. 

De repente, a primordial necessidade tornou-se o abrigo e a comida. Realmente, as únicas coisas que nos fazem permanecer biologicamente vivos, além do ar. Mas o ar agora mata. 

Somos primitivos. Quando a vida corre riscos, voltamos às nossas origens , aos tempos da Idade da Pedra, e tratamos de proteger as nossas vidas, mesmo que para isto, tenhamos que disputar uma garrafa de água à unhadas! Realmente, como somos frágeis! E é justamente nestas horas que as nossas máscaras caem, e a superficialidade dá lugar ao que realmente somos. E ao que realmente importa. 

No olho do furacão, somos todos iguais. O melhor e o pior expostos aos mesmos riscos e reduzidos às mesmas proporções. Todos os sonhos andando na beirada da vida, ameaçados por uma ventania. 

A qualquer momento, podemos ser levados pelo furacão. 

Mas quando tudo passa, e o vento carrega consigo os destroços que escolheu levar, a vida volta a ser o que era, e nem mais nos lembramos do furacão. Pois a vida segue, e nós seguimos com ela. Modificados? Não; indiferentes.

9 comentários:

  1. Isso que é o tragico, né! A indiferença com que vivemos atualmente... a banalização da vida...

    Ser ou não ser...

    bjsMeus
    CAtita

    ResponderExcluir
  2. ... E aonde nos levará essa indiferença se sabemos (talvez inconscientemente), sei lá, que todos estamos no mesmo barco frágil das intempéries da vida?

    Falta mais consciência, Ana. Conosco e com a natureza das coisas.

    bj
    crônica ideal e real - gostei imenso.

    ResponderExcluir
  3. Coincidência tenho escrito também uma crônica sobre esse assunto...
    ...
    Publicarei mais tarde...

    ResponderExcluir
  4. Saudades dessa amiga querida que faz dos seus textos mais que real...
    bjsssssssssssssss

    ResponderExcluir
  5. Olá!Boa tarde!
    Ana...
    acabei de vir de um blog que estava "falando "sobre a Sandy.Você "disse tudo" no seu belo texto, então,vou só dar meu "pitaco" no seu final: a vida segue, e nós seguimos com ela.Capitalismo é isso: lucro privado e prejuízo público... Mesmo com as seguradoras "pagando", sobra sempre para os contribuintes o maior montante para a reconstrução da estrutura afetada...penso eu!
    Obrigado!
    ótima quinta feira!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Ana,vc é demais!Que análise mais verdadeira da situação em Nova York e especialmente no quanto somos pequenos e na hora do sufôco impera mesmo a lei da sobrevivencia,do salve-se quem puder!Parabéns pelo excelente texto!Bjs e bom feriado!

    ResponderExcluir
  7. nada podemos contra a natureza. domá-la em algumas situações é quase impossível!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...