quarta-feira, 3 de outubro de 2012

ASSIM É A VIDA



Torturo-te devagar
Para que não morras 
De dor extrema.
Dou-te um pouco de cor,
Dou-te um poema.

Vou ceifando laços
Do que não mais serve
E não quer ficar.
Deixo-te uma cena
Bucólica, amena,
Um braço de mar.

Torturo-te decepo
Ligações forçadas,
Forjadas no ninho;
Nos tocos doridos
Faço com que surjam
Novos caminhos.

E a graça de tudo
São as luzes que eu penduro
Por entre a escuridão
Que eu mesma provoco
Sempre que eu te toco
Com minha fria mão.

Torturo-te aos poucos
Com vários requintes
De doce crueldade,
Pois quero que saibas
Na ponta da espada
O que é realidade.

Se há um motivo,
Ninguém jamais disse,
Mas cumpro minha sina
De morder e assoprar,
De dar-te e tomar-te.
Assim é a vida.

4 comentários:

  1. Boa tarde, Ana. Maravilha de poema! Como traduz o que fazemos conosco, com as pessoas nessa jornada que chamamos de vida.
    Beijamos, deixamos de beijar, alegramos e causamos dor conscientes do que estamos fazendo.
    Somos nós os responsáveis por essas dualidades tão estranhas residentes em nos!
    Beijos na alma e fique na paz!

    ResponderExcluir
  2. Não é somente um sexteto
    muito bem feito
    mui belo
    é uma dose de alcaloide
    que penetra no nosso ser
    é muito mais
    uma lição de vida
    poeticamente falando
    é curar uma profunda ferida
    com um poema
    com uma forma antiga
    com ritmo de uma cítara
    uma bela cantiga
    mui bela de amor

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  3. A vida é cheia de '''graça'''. Essa é a nossa graça!


    bjsMeus

    Catita

    ResponderExcluir
  4. Ana Minha querida, suas poesias são divinas, voc~e escreve realmente com a alma. Parabéns!! Obrigada pela visita e por deixar lindos comentários. Sua comtribuição tem sido muito valiosa. Uma linda noite e um final de semana na paz de Deus.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Em Casa

Sinto prazer em estar em casa... gosto de cuidar de tudo, andar pelo jardim, aproveitar o sol. Gosto de ir lá para fora olhar...