Memórias Felizes






Ontem, sem que eu puxasse por elas, as memórias começaram a aflorar. Isto tem acontecido comigo muitas vezes: de repente, sem que eu esteja tentando lembrar-me de alguma coisa, e às vezes até quando estou muito ocupada, alguns fatos do passado - coisa de trinta, quarenta anos atrás - voltam a mim. Fico surpresa, pois há séculos eu já nem me lembrava delas.

Lembrei-me dos natais na casa no apartamento de meu cunhado e de minha irmã; a árvore de natal enorme, até o teto, cheia de enfeites e luzes, e os muitos presentes - todos lindamente embalados - sob ela. Nós, em nossas melhores roupas, brindando em lindas taças de vinho - coisa que para mim, criança, era simplesmente inusitado. Lembrei-me de um natal no qual eu ganhei de presente duas batas indianas (era meu maior desejo ter uma daquelas batas que, na época, eram importadas e caríssimas), um relógio de pulso (o primeiro de minha vida) e um par de sandálias. Lembrei-me do quanto os natais eram movimentados e celebrados naquela época. Alguns de nós ainda nem sequer sonhavam em nascer... hoje, alguns de nós já se foram: meu pai, meu sobrinho...

Flashes de vários acontecimentos ( nenhum deles grandioso ou especial, mas corriqueiros ) há muito esquecidos, voltam à memória. Por que será?  Fico me perguntando de onde vem tanta coisa. E vem nos momentos mais inusitados : quando estou dando uma aula, andando na rua, limpando a casa.

Lembrei-me dos sábados que passávamos (toda a minha família) em um sítio de conhecidos no Vale dos Esquilos. Lá havia um grande campo de futebol, onde os homens passavam a tarde, inclusive, meu pai, jogando bola. O lugar era lindíssimo, entre montanhas cobertas de árvores e cheias de quedas d'água. Na parte de cima, havia um pomar de pessegueiros que, quando floridos, eram um espetáculo dos mais lindos. Havia também, naquele sítio, uma piscina de água natural cheia de aranhas... eu morria de medo de entrar nela, enquanto as outras crianças diziam: "Vem, Ana, elas estão lá do outro lado!" E havia churrascos, bolos de aniversário, e à noite, as temidas (por mim) sessões de umbanda. 

Durante uma delas, um Preto Velho parou diante de mim (eu tinha uma dor no ombro crônica, que não passava nunca, há muito tempo), e sem que eu ou qualquer pessoa tivesse dito nada sobre a minha dor, ele soltou uma baforada de fumaça de cachimbo em meu rosto, dizendo: "Zinfia tem encosto!" Eu gelei de medo, e ele, dando-me uns passes, livrou-me da dor, e acredito, dos encostos... acho que eu tinha uns oito, nove anos.

Lembrei-me das tardes em que eu ia para a loja do meu cunhado e da minha irmã, uma loja de roupas masculinas finas, 'de etiqueta,' e na hora do lanche, íamos comer mistos quentes e bana-split no Fukas'. Eu ajudava a fazer os enfeites de natal para a loja, e adorava quando, tarde da noite, portas fechadas, eu podia ficar olhando os funcionários fazerem a decoração de natal das vitrines. Durante o dia, brincava na 'máquina de escrever,' e acompanhava as idas aos bancos. Era tão pequena, que meu cunhado me segurava na rua apoiando a mão por trás de meu pescoço.

Lembro-me das viagens à Cabo Frio, quando ficávamos hospedados no Edifício Areia Branca. Meu pai, minha mãe, minhas irmãs, meu cunhado, eu... meus sobrinhos nem existiam.

Lembro quando a Cristiane nasceu. Depois, a Dani, e o Thiago. A gente ria muito quando meu cunhado dava comida para as crianças, pois enquanto ele levava a colher às bocas, não sabemos o motivo, ele torcia a própria boca. Era engraçado vê-lo fazendo aquilo.

E finalmente, lembro-me de meu cunhado nas manhãs de domingo, sentado de shorts em sua poltrona preferida, lendo jornal e tomando uma dose de uísque ou Campari - até hoje não entendo como alguém pode gostar de Campari! Na vitrola, Paul Mauriat , Clara Nunes ou Richard Clayderman.  Bem, eram as músicas que ele gostava... e até que Richard Clayderman não é tão ruim.


Para José Luiz - resgatando memórias felizes.

Comentários

  1. Olá!Boa tarde!
    Ana...
    ...belo texto /homenagem ao Jose Luiz...
    ...gosto de texto assim...
    Eu também sempre tive este ímpeto ,um rompante de resgatar momentos felizes, que acabou se tornando ainda maior, quando comecei a blogar, talvez porque usamos muito a imaginação, talvez... e assim pude compreender que o futuro que me aguardava, poderia ser mais romântico se houvesse a conjunção respeitosa e carinhosa de passado e presente. E neste saudoso mundo das recordações , muitos momentos felizes se sucederam, e cada vez mais me convenço de que à medida que avançamos com a nossa vida, as pessoas que conhecemos, as coisas que vemos, e as emoções que sentimos nunca permanecem as mesmas. Tudo na vida vai e vem, mas há uma coisa que não se altera: o passado. Os problemas nos fazer esquecer de quem nós realmente somos.
    Pois à cada novo obstáculo direcionamos nossa atenção total e somente em resolvê-lo e esquecemos de olhar para onde realmente é importante :as memórias de nosso passado, onde aprendemos tudo que somos hoje...
    Obrigado
    Boa quinta feira!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana! Obrigada pela visita, amo seus comentários. Querida, li este artigo e como é bom lembrarmos de coisas boas que guardamos na memória, mas lembrar dos nossos erros ou de algo triste nos faz crescer e ficar mais fortes. De tudo podemos tirar um pouco de aprendizagem e a vida é a melhor escola. Bjus uma linda noite.

    ResponderExcluir
  3. Ana meu anjo agradeço o teu carinho em minha página, acredito ser impossível chorar todas as lágrimas, mas pelo menos deu para me equilibrar um pouco, linda a tua postagem, estas lembranças nos dão forças para viver, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  4. O que há de mais delicioso e ao mesmo tempo doloroso do que recordar dos bons momentos vividos? Abraço!

    ResponderExcluir
  5. O mais interessante em nossas memórias, e que se boas, jamais se apagam...

    ResponderExcluir
  6. É complicado lidar com as lembranças. Belo trabalho, Ana! - Abração

    ResponderExcluir
  7. Muitas vezes penso que as lembranças se parecem com as peças de um mosaico que só será "visualizado" ao longo do tempo com os mais diversos cenários que a alma abriga.

    ResponderExcluir
  8. Basta um único ato, uma visão, uma palavra... e abrimos o diário da vida. Vamos percorrendo, mais uma vez, os caminhos, ora tristes, ora muito felizes. Bjs.

    ResponderExcluir
  9. as recordações são surpreendentes . adoram chegar sem avisar mesmo. mais é bom ter lembranças boas. abraço linda ! olguinha

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

Sentidos

VIDA