segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Voil




A vida envolta em voil
Cortina
Que nada descortina
Embaçada,
Mar sem sal.

Nadamos 
Entre o bem e o mal,
Sufocando coisas
Sob o pano letal.

Sugamos o ar
Que nos mantém vivos
Mas que mata
Cada ideal.

A vida envolta em voil,
Cortinas que dançam
Balançam
Ao último aplauso
Final.

Para que tudo isso,
afinal?




5 comentários:

  1. A partir de seu poema que eu descobri a existência de algo chamado voil...

    Lindos versos...

    ResponderExcluir
  2. Para que eu possa aplaudir a beleza da criação.
    Uma bela semana com paz e felicidade total.
    Um abração Ana.

    ResponderExcluir
  3. Como sempre um primor a sua escrita , gosto por demais de tudo que vc escreve ... abraços amiga

    ResponderExcluir
  4. A indagação essencial se desenhou em teu belo poema. Sempre muito bom ler-te, Ana! Beijos

    ResponderExcluir
  5. teu poema me pareceu uma dança: a dança da vida. beijos

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Até um Dia!

Olá, pessoal! Por motivos pessoais, estarei fora da rede durante alguns dias. Volto em breve! Abraços! ...