sábado, 6 de outubro de 2012

Temporal






De repente, o dia ficou noite
Acenderam-se as lâmpadas da rua
Bem no meio da tarde.

Pássaros esconderam-se,
Não se ouve nenhum pio...
Há uma carga elétrica no ar,
Pronta a manifestar-se.

De repente, o vento contido
Solta-se em rajadas sem-destino,
Levando consigo, durante o descaminho,
Borboletas desavisadas,
Folhas ressecadas,
Telhados mal-pregados.

De repente, a chuva desaba,
Feito baldes d'água sobre o mundo,
Criando riachos, do que antes
Eram apenas pequenas poças.

De repente, um clarão demente cruza o céu,
Seguido de um violento ribombar:
Forças da natureza em ação,
Árvores inclinam-se para não tombar...
Raios, ventos, trovões...

Temporal mágico-atemporal,
Temporal magnético,
Catarse da natureza...

3 comentários:

  1. A natureza se manifesta com todas suas forças,como se numa retaliação aos desmandos humano.
    Belo texto natural.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Catarse também de poema! Puxa, toda a força da natureza transmitida do melhor modo, do modo "Ana Bailune".

    ResponderExcluir
  3. Gostei particularmente deste seu poema, Ana, pela sua mensagem e linguagem clara e harmoniosa. Parabéns. Abraço

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...