sábado, 6 de outubro de 2012

TALVEZ








Talvez
Algumas pedras deste anel
Tenham caído no caminho,
Deixando-o assim, fosco e banguela.

Talvez
Existam muito mais segredos
Entre mim mesma e o travesseiro
Do que jamais contei a alguém.

Talvez
Aquilo que eu não pronuncio
Torne-se sólido e real
Se minha voz o desenhar.

Talvez
Seja melhor que eu esqueça
Se for possível, de mim mesma
E dessa sílaba a brotar...

8 comentários:

  1. O talvez é sempre um leque de possibilidades. E você o explorou de forma linda! Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema! O "talvez" é uma coisa muito ampla, é uma coisa a ser estudada, é uma coisa a se pensar. Gostei de seu post, bom blog, estou seguindo, abraços

    R. Leroux ~> R. Leroux

    ResponderExcluir
  3. São tantas as inquietações Ana,que talvez sejamos um mar delas.Talvez seja melhor assim,que nos faz buscar sempre uma perfeição.Bela construção.
    Lindo domingo pra voce.
    Abraços amiga.

    ResponderExcluir
  4. Talvez um simples gingar de letras torne o impossivel apenas visivel....


    bjsMeus
    Catita

    ResponderExcluir
  5. eu gostei desta fala - Talvez
    Aquilo que eu não pronuncio
    Torne-se sólido e real
    Se minha voz o desenhar.

    como é bom saber que a voz pode desenhar vida. dar contorno a imagens... muito joia. parabens e abraços lamarque

    ResponderExcluir
  6. Talvez
    Existam muito mais segredos
    Entre mim mesma e o travesseiro
    Do que jamais contei a alguém.

    é verdade... eles sao nossos melhores ouvintes... acolhem nossas lagrimas e sorrisos....

    abraços e um bom final de semana lamarque

    ResponderExcluir
  7. Muito bela sua poesia! À primeira vista as suas dúvidas parecem incertezas, mas a conclusão revela plena convicção. Beijoquinhas

    ResponderExcluir
  8. Lendo este lindo
    poema
    olho meu múltiplos
    eu(S)
    que se multiplicam
    outros vão embora
    me abandonam
    nem dizem adeus
    outros dormem comigo
    no travesseiro
    com seus dilemas
    problemas
    poemas
    deixando o travesseiro
    impregnado de almas
    perdidas
    pesadelos
    sonhos
    alguns são levados
    lavados na fronha
    e secados ao sol
    no amanhecer

    Luiz Alfredo - poema

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AMANHECEU

Amanheceu novamente Sobre as igrejas e telhados dos que ainda dormem E dos que jamais despertarão. Amanheceu sobre as p...