terça-feira, 9 de outubro de 2012

ECLIPSE





Sonhei que o dia era noite,
Sonhei que a noite envolvia
O que restara do dia.

Perdida, eu me procurava,
Mas no negro, não me achava,
A noite me engolia.

A  manhã tornou-se negra,
Recolheu-se de repente
E a lua se escondeu.

Me perdi do que era meu,
Me senti tão desabrida,
No meio da escuridão...

Era um verso sem poesia,
Aquela noite sem dia,
Uma canção sem refrão!

Não havia madrugada,
Só a noite entrecortada
Pela escura solidão...


Poema baseado em um sonho que tive na noite passada. Sonhei que estava no portão de casa, acompanhando uma visita. Quando o abri para que ela saísse, um homem negro entrou, e de repente, a manhã ficou muito escura. Fiquei pensando, no sonho, que era um eclipse, mas ele me disse: É o fim do mundo." Sonho louco...

12 comentários:

  1. Então, minha trajetória poética desde minha juventude passou por noites boêmias, madrugadas insones, letargias, perdição... Hoje, escrevo mas catolicamente, dentro de casa, no seio da família. Mas tenho um enorme carinho por este passado boêmio... Lindo poema este amiga, aplausos!!!

    ResponderExcluir
  2. Vim do Quiosque conhecer este espaço onde você se expressa com liberdade e li o presente eclipse, em redondilhas maiores, que achei muito, muito bom. Serei seu centésimo trigésimo nono seguidor. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. É interessante essa relação que nós temos com a escuridão e o malígno...

    bjos

    ResponderExcluir
  4. Uma canção sem refrão equivale a um coração sem pulsar!!!!

    Querida Bailune, é sempre um prazer para mim poder ler-Te!

    bjsMeus*
    Catita

    ResponderExcluir
  5. Olá!Boa tarde!
    Ana...
    Louco...
    ...mas eclipses sempre foram e serão como temos visto: podem ser parciais ou totais, mas é algo que começa e se desfaz em questão de minutos...e que assim tenha sido seu sonho... Só espero que Deus nos dê tempo suficiente para arrepender desta condição caótica na qual nos instalamos...
    Obrigado!
    Boa terça feira!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá, ANNABAILUNE! Boa tarde! Que DEUS esteja no seu lar! @@@ Nas noites sem lua, o poeta sonha com sua inspiração. Se é a lua sua musa, ele sonha com a solidão. Se está desacompanhado sonha com a escuridão. É um ciclo vicioso, sem regras e sem solução. @@@ Eu, ALEIXENKO OITAVO, Primeiro Ministro do Reino de Gorobixaba a saúdo na amizade e na paz. {{SUADADES!}}

    ResponderExcluir
  7. Versos de quase pura
    escuridão
    sonho eclipsado
    até o tempo fica perdido
    sem futuro sem passado
    mas os versos de um eclipse
    dura pouco
    a poeta esta sorrindo
    e as estrofes belas
    cheias de luzes
    apagaram
    a escuridão
    deixaram um poema misterioso
    cheio de enigmas
    e solidão
    mas mui lindo

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  8. Oi, Ana! Um sonho louco que fez brotar um belo e expressivo poema. Amei! Grande beijo.

    ResponderExcluir
  9. Olá querida amiga! Que bom que estais comigo neste mundo virtual e como seguidora, contribuindo para a valorização do meu blog, me encorajando a continuar com este trabalho. Chegar aos 400 seguidores é maravilhosa porque trata –se do reconhecimento de um trabalho que para mim é novo, mas que cuido com carinho para todos. Obrigada minha querida por sua presença naquele cantinho que é nosso.
    Deixo este pensamento de Miguel Unamuno que diz:
    “Cada novo amigo que ganhamos no decorrer da vida aperfeiçoa-nos e enriquece-nos, não tanto pelo que nos dá, mas pelo que nos revela de nós mesmos.
    Abraços da amiga Lourdes.

    ResponderExcluir
  10. O sonho pode ter sido estranho, mas tem grande mérito por havê-la inspirado. É na escuridão total que se mostra, de verdade, a solidão. Bjs.

    ResponderExcluir
  11. O sonho talvez não seja de todo louco. Assim como sempre há uma luz no fim do túnel, há algo de tenebroso nos bastidores. Melhor não enxergar, mas sabemos que está lá.

    ResponderExcluir
  12. Amaury
    Oi Ana !!!
    Enquanto existirem poetas a escuridão não passa de um eclipse e sua temporalidade.
    IRNUS

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

A Minha Vida

Parada na esquina De pé,  Mas cansada, A bolsa jogada nos ombros Pronta para a viagem Há tempos planejada. And...