quinta-feira, 4 de outubro de 2012

CIÚMES







Horrendo monstro
Que cresce nos becos
Causando destroços
Destruindo sonhos,
Ceifando amizades
Pingando maldade
Goteja perfídia
Na boa vontade...

Horrendo sentir
Que quer para si
A vida de alguém
O tempo, o sorrir,
Somente para si
Deseja e exige
Semeando intrigas
Morrendo e matando
De medo e de culpa...

Horrendo, sofrível
Vazio de amor
Afasta, escurece
Desperta rancor
Os olhos viscosos
E enviesados
Só enxergam maldade
Ressecam sorrisos...

*

4 comentários:

  1. O poema as vezes
    nos seus belos versos
    nos dão conselhos
    nos faz ver no espelho
    o que somos
    o quanto estamos distorcidos
    o que não devemos ser

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir

  2. Olá!Boa tarde!
    Ana...
    penso que ainda que possamos sentir, em alguns momentos, uma pequena dose de ciúmes, é necessário aprender a lidar com as nossas inseguranças. À medida que vamos conquistando a autoconfiança, o respeito pelo espaço do outro, estaremos também cultivando a saúde de qualquer relacionamento...
    Obrigado!
    Bom final de semana!
    Beijos




    ResponderExcluir
  3. Apesar do tema ser doloroso, seu texto ficou leve e solto.Esse é o poder da poesia.

    ResponderExcluir
  4. Ana,poesia forte e verdadeira!Ciume é desamor!Não podemos achar que somos donos de alguem!Linda msg!bjs e bom fim de semana!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...