terça-feira, 11 de junho de 2013

Tempero




Metade do que me corre
 Pelas veias esticadas,
É sangue puro e espesso,
A outra metade, é água.
Dentro do meu pensamento,
Metade é um barulho intenso,
Que não descansa nem cala;
A outra metade, é nada.

Das estrelas onde procuro
Nas noites desembestadas
A tua metade perdida
Que completa a que me falta,
Uma parte é uma estação,
E a  outra, um longo trilho
Onde nunca está seguro
O trem que a memória assalta.

Assim, sou feita de carne,
Pele, osso, sangue, órgãos,
E de uma alma de gaze
Lacerada por um rasgo
Que nem o tempo costura
Com as linhas já partidas
Do que chamam sanidade.





14 comentários:

  1. Olá!Boa noite
    Ana
    Muito lindo, mesmo! Uma alma ferida leva tempo para cicatrizar. Aberta muitas vezes pelo descuido dos atos, ela precisa do tempo para que a cura aconteça. Embora o tempo cure as marcas da cicatriz, ela continua a nos mostrar algo que foi ferido nos tempos de outrora, e a certeza de que o passado já não mais pertence ao presente. Fica somente a marca que muitas vezes foi convertida em aprendizado, desde que mantenha a sanidade...
    Obrigado pelo carinho da visita
    Boa quarta feira
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana
    Todos temos uma dualidade que as vezes fere, mas vamos por aí, colecionando cicatrizes.
    Bjux

    ResponderExcluir
  3. Somos metade, realmente, em tudo. E há ocasiões para que as nossas metades falam ou se calam. Agora, a metade que é prazer é que está vivendo esse poema a nós doado pela propriedade poética de Ana. Como nos escapa sempre ao fim de cada leitura de Ana: "É Ana!"

    ResponderExcluir
  4. Oh! Ana! Gostei taaaaaanto!
    essa tua introapecção é a minha introspecção!
    beijo

    ResponderExcluir
  5. De metades somos feitos, nem sempre em equilíbrio. Ora predomina a sombra, ora a luz. Neste poema, Ana, sua luz brilha com força total. Parabéns.

    ResponderExcluir
  6. Aplausos,Ana!Vc é demais,que poesia mais linda e profunda,adorei!bjs,

    ResponderExcluir
  7. Ana, que lindos versos. Mas pelo seu sangue ainda corre poesia que transmite a nós
    a emoção do carinho que escreve. Parabéns.
    Feliz dia dos namorados.
    Abraço.
    iara

    ResponderExcluir
  8. Ana,
    Somos feitas de dualidades, de pensamentos, sentimentos e atitudes dicotómicas e controversas, Por cá temos uma frase que, de certa forma, resume a ideia "Só estou bem onde não estou."
    Beijos
    Teresa

    ResponderExcluir
  9. Querida amiga Ana. Vim agradecer o carinho que me dedicou indo até minha festinha virtual deixando lindo comentário, com felicitações pela passagem do meu aniversário.
    Com certeza, o dia ficou mais lindo com a sua presença e lindas palavras que me dirigiu.
    É maravilhoso perceber o quanto se pode ser feliz com amigas como você… O que posso dizer com pessoas maravilhosas que Deus colocou em minha vida, como você: Obrigada por todas as felicitações !
    Que Jesus derrame chuvas de benção sobre você e todos que amas.
    Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir
  10. Ana ,

    Essa nossa dicotomia é tão poeticamente descrita por você .
    Perfeito o poema .
    Gostei muito .
    Agradeço a partilha .
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. O AMOR É O ARQUITETO DO UNIVERSO,
    POR ISSO QUE VIM TE PEDI PARA QUE DIGA A ALGUÉM ESPECIAL O QUE LHE VAI NO CORAÇÃO !
    FELIZ DIA DOS NAMORADOS !!!
    BJS PELO CARINHO PLANTADO NO MEU CANTINHO ...
    AMADA AMIGA !!!!!

    ResponderExcluir
  12. Versos de pura metade
    que se procura uma
    e se perde noutra
    a caneta fez belos versos
    suturando uma
    a outra ficou sangrando
    e assim - o ser vai pensando
    e procurando compor-se
    destas infinitas metades

    mui belo verso ontológico
    metade alma / metade biológico

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...