quarta-feira, 19 de junho de 2013

A Vida é Irônica!





O mundo dá voltas, e nas voltas que o mundo dá, a gente se perde... este texto é apenas uma reflexão, já que não tenho partido político e jamais defenderia os políticos que fazem parte do contexto de nosso país - aliás, de nosso mundo - mesmo porque eu não entendo bulhufas de política, e portanto, não me considero politizada. Mas é quase impossível não olhar em volta e tirar algumas conclusões (que não levarão a lugar nenhum, tratam-se apenas das reflexões de uma pessoa um tanto confusa):

Há muitos anos, a  mulher que hoje ocupa a cadeira da presidência da República de nosso país, era militante e lutava contra a repressão, a ditadura, a dita mole, etc, etc, etc. Foi presa e torturada. Seus companheiros eram aqueles que hoje ocupam os cargos políticos mais importantes. Alguns foram exilados do país naquele estranho movimento da ditadura que dizia: "Brazil (desculpem, é com 's') amem-no ou deixem-no."  Dizem que um deles, já falecido, chegou a fugir vestido de freira. Surgiram os líderes sindicais, sendo que um deles, tornou-se presidente da nação  e deu no que deu... agora, sua sucessora, antes acolhida com apupo e entusiasmo, enfrenta sua maior crise, e escuta o próprio nome ser gritado em manifestações públicas (parecidas com aquelas das quais ela mesma deve ter participado), só que de forma bastante pejorativa.

O ex-líder sindical/Presidente da República/herói nacional, hoje amarga acusações de um governo corrupto e incompetente. As pessoas que antes o aplaudiam, hoje o vaiam. Juntam-se nas praças e esquinas aos gritos de "Fora, PT!" E outras coisas menos publicáveis.

Os oprimidos lutaram, e chegaram aonde queriam chegar; tomaram o poder. E só fizeram merda. Hoje, vejo lá fora o mesmo cenário: oprimidos tentando chegar ao poder. Oprimidos que hoje se dizem apolíticos - sem partido político - lutando por uma/várias causas que se desencontram e que por isso, não tem qualquer substância. Porque apesar de nada entender de política, qualquer mané sabe muito bem que para haver uma luta, é preciso haver uma causa coerente. O que eu vejo, é gente gritando "Fora, PT!" "Abaixo a corrupção!" "Abaixo o preço das passagens!" "Pelo passe livre e o direito de ir e vir!" "Contra a ditadura!" "Pelos professores!" "Por melhores condições de trabalho!" "Pela educação!" Etc, etc, etc... e nesse meio, estão inseridos os vândalos, oportunistas, comunistas (na verdade, na minha santa ignorância, acredito que este é um movimento comunista) e curiosos. E nenhum deles sabe, exatamente, o que está fazendo. Mas acredito que dali, de dentro daquele caldeirão, surgirão novos partidos políticos, cujo único propósito, será chegar ao poder... e fazer tudo igualzinho como sempre foi.

Lembram-se daquele líder estudantil bonitinho e radical dos anos oitenta? Aonde é que ele está agora? Lá do outro lado. Aproveitando todas as regalias  que seu cargo permite. Esta é a história deste país! 

E acredito que a única maneira de mudá-la, e se cada um de nós cultivarmos a legítima transparência de conduta e de propósito de vida. Criar objetivos REAIS e SEM INTERESSES PESSOAIS. Porque o que eu vi ontem na TV Record, no programa do Wagner Montes, foram dois 'líderes' do movimento dando uma entrevista fraca, inconsistente e até ridícula - um deles dizia que lutava pelo passe livre, pois apenas com a implementação do passe livre, ele poderia desfrutar plenamente de seu direito constitucional de ir e vir. Se esquece de que vivemos em um país capitalista, e que as empresas não existem para fazer caridade, mas para gerar lucros. As pessoas que trabalham para elas precisam ser pagas. Mas acredito que daqui a alguns anos, quando eles próprios estiverem trabalhando, e confortavelmente inseridos no contexto capitalista que hoje eles repudiam, eles compreenderão melhor as coisas.

Mais uma ironia? Ao final da entrevista, um Wagner Montes gaguejante agradeceu a presença deles e colocou-se à disposição para recebê-los no programa sempre que eles desejassem voltar.

 À noite, o carro da Record foi depredado e queimado.

3 comentários:

  1. Bom dia Ana, que pena que é assim, não se fazem mais passeatas como antigamente, hoje é só violência, disseram isoladas?
    Pra mim foram generalizadas, Brasil inteiro se levantou e não disse certo a que veio e depredou!!!
    Abraços minha amiga, vamos indo vendo até quando isso, até me emocionei anteontem, pensei que estavam aprendendo a reclamar os direitos, mas não, os ânimos se exaltaram tanto, tanto e tanto!!!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia!Um texto,como sempre,elucidativo e mostrando as verdades.Os manifestantes organizam-se e seguem pacíficamente,mas infelizmente os baderneiros infiltram-se para provocar graves distúrbios.Isso é muito preocupante.

    ResponderExcluir
  3. É concordo com vc. Mas infelizmente temos que alimentar a esperança de um futuro melhor, embora saibamos que esse futuro pode não existir. O importante mesmo é que pelo menos uma atitude foi tomada, e que se essa moda pegar, pelo menos alguma diferença deverá fazer.
    Obrigada pela sua visita.
    Adorei esse novo layout do seu blog. lindo lindo.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Metáfora

Às vezes, há ainda uma  corrente Muito fina e cristalina Que quer correr para o mar, Ainda há um par de pernas Que...