sexta-feira, 28 de junho de 2013

Sobre a Maldade





Não sei como a maldade pode brotar em alguém, mas o que eu sei, é que nenhuma pessoa nesse mundo está livre de ser abordado por ela, ou sequer, de perpetrá-la. Algumas vezes, a maldade age com a ajuda consciente de quem a faz, enquanto noutras, acaba-se atingindo, sem intenção, outras pessoas, a fim de  se defender  espaços, entes queridos  e interesses.

Não acredito em quem se diz essencialmente bonzinho o tempo todo. Tenho visto que os bonzinhos são aqueles que adoram apontar os erros e 'maldades' alheias, colocando-se sempre em um pedestal, como se jamais houvessem caído ou cometido erros. Não são humanos: são deuses e anjos!

Ontem, passando por textos de outros autores em um site de escritores, deparei com um na qual a escritora - muito competente, por sinal - dizia que o mal não merece atenção em nenhuma circunstância. Sinto muito, senhora, mas vou discordar, e explicarei meus motivos:

Na segunda guerra mundial, quando milhões de judeus estavam sendo cruelmente exterminados, os bons preferiram não dar atenção ao mal; quando finalmente resolveram fazê-lo - apenas porque o mal estava tomando proporções exageradas e poderia atingi-los a qualquer momento - milhões já haviam perecido. 

Nossa nação passou décadas ignorando o mal que acontece dentro do governo, entre aqueles que nos representam, e exatamente por isso, nosso país chegou ao ponto que chegou agora. Quantos morreram em filas de hospitais, quantos não tiveram a chance de terem seus direitos de cidadãos assegurados? Tudo porque as pessoas fizeram vista grossa ao mal.

De repente, sentimos um mal-estar, que ignoramos, e que se prolonga durante bastante tempo, até que, finalmente, decidimos procurar um médico, e já é tarde: o mal, em forma de doença,  já tomou conta de nosso corpo.

Animais são torturados diariamente por adolescentes doentes, que depois postam fotografias e videos em redes sociais das cenas em que os torturam, amputam-lhe membros enquanto eles ainda estão vivos, decepam-lhes as cabeças. Sempre compartilho este tipo de coisa, pois acho que assim, será mais fácil que estas pessoas sejam identificadas e punidas, evitando que outros animais passem horas sendo torturados por eles.

Alguém que nos observa decide infiltrar-se em nossa casa, ou em nosso espaço, a fim de tomar conclusões errôneas a nosso respeito e espalhar por aí estas conclusões, e nada fazemos, pois fomos ensinados a não reagir a esse tipo de ataques, ignorando aqueles que nos atingem; seguimos a velha máxima de que "quem não deve, não teme." De repente, nossa reputação está tão defasada, que muitas pessoas passam a acreditar naquilo que disseram de nós. É muito fácil destruir alguém que levou anos levando uma vida honesta, pois ouvidos não faltam a esse tipo de coisa, e nem mesmo bocas para repeti-las.

De repente, pessoas que nos visitavam frequentemente passam a nos ignorar, e quando vamos visitá-las, descobrimos que as portas foram trancadas para nós, e nem há uma maneira de esclarecer a situação, já que elas preferiram acreditar em quem espalhou fofocas a nosso respeito. Já soube de histórias em que pessoas postavam comentários não identificados, assinando o nome de um autor, como se fosse realmente ele, e por isso, muitas portas se fecharam àquele autor, que de nada sabia. 

E é normalmente nessas situações, que as pessoas 'bondosas' repetem: "Ignore! Releve! Perdoe! Deus está vendo todas estas injustiças."  Ora, Deus não criou cordeiros, e sim homens! Se não reagirmos a esse tipo de coisa, logo nos tornaremos completamente invisíveis, pois este é o objetivo de quem persegue outra pessoa: exterminá-la.

Portanto, senhora, prefiro dizer que O MAL NÃO PODE, EM MOMENTO ALGUM, SER IGNORADO. Devemos identificá-lo sempre, fazendo o que for possível para que as pessoas que o praticam sejam identificadas e punidas.



15 comentários:

  1. Ana,
    Comovente e, verdadeiro as palavras manifestas no seu texto

    Sim! Concordo consigo é nosso dever e, obrigação delatar o ruim e, mau para que no futuro essas crueldades e, ruindades sejam em menor escala. Menor escala porque não acredito que sejam dissipadas.

    Por vezes, ás vezes o dolo de alma é de fato irreversível.

    um laço de admiração de mim para si.
    Ana

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Ana, lindo e esclarecedor texto, penso como você, não deixar o mal se alastrar a ponto de não poder mais o frear, eu vejo e percebo o mal, mesmo porque tenho um dom sensitivo, quando sinto mal estar perto de alguém não o julgo, mas fico atenta, pois são essas armadinhas que nos botam a perder,pessoas "boazinhas" são as que mais desconfio, nossa, conheço muitas, elas vivem fazendo o bem, não sei se "olhando a quem", mas fazem, logo depois comentam tanto que todo o bem vai "por água abaixo".
    Sei do que quis dizer nesse texto inteligente, principalmente quando o mal atinge a maioria, isso tem de ser denunciado sim,do começo, para que seja tomada as devidas providências contra.
    Alienação nunca, ignorar jamais, perdoar e esquecer, aí depende, se for só comigo até tento esquecer, mas se é com outras pessoas preciso agir, assim como você, pois senão vira culpas em nossas consciências né mesmo?
    Abraços linda Ana!

    ResponderExcluir
  3. Tentar derrubar a reputação alheia com fofocas e mentiras tem um nome bonitinho na Lei: 'calúnia e difamação'. Conhecer o mal e quem o pratica é importante, até para que possamos nos defender. "Livrai-nos do mal, Amém!"

    ResponderExcluir
  4. Ana Bailune

    Temos de te um pé atrás, em relação aos se proclamam bonzinhos, porque a bondade é muda. A eloquência está nas obras e nunca nas palavras. É nós que cabe saber da bondade que nos. Mais vale um inimigo que um falso amigo. Este espera sempre a o momento de se revelar, como é:
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi Ana,
    Bom dia!!!
    Concordo com você!
    Pelo que vemos na história e até mesmo no dia a dia é bem mais simples virar o rosto pro outro lado, fingir que nada daquilo existe e seguir com sua vida, mas é por causa desse tipo de pensamento e atitude que o "mundo" está como está.
    Acredito que as pessoas estão ficando cada vez mais gananciosas, egoístas e insensíveis.
    É muito triste, porque enquanto esses sentimentos e hábitos predominarem não vejo como mudar nada!!!

    Beijinhos,
    Aline

    ResponderExcluir
  6. Excelente, Ana!
    Concordo plenamente contigo.
    Não podemos ignorar o mal. dessa forma nos igualamos a quem o aprova por omissão, aderindo à máxima do "quem cala, consente".
    Foste bem sucedida ao citar o sangue de inocentes derramado na Segunda Grande Guerra,. Dói-me só em pensar, pois o meu sangue (dos meus ancestrais) ali foi friamente derramado ou outros asfixiados em câmaras de gás.
    Meus calorosos aplausos por crônica tão brilhante!

    ResponderExcluir
  7. Caríssima Ana, o seu contexto é perfeito. Não podemos, de forma alguma, ignorar o mal. É o que nos leva a melhor refletirmos sobre a preemente necessidade de estarmos sempre vigilantes, mantermos a serenidade, o bom senso e, dependendo das circunstâncias, evitarmos ou combatermos os atos que voluntária ou involuntàriamente possam trazer malignidades. Parabéns por mais esta bela e interessante reflexão e um abraço com o carinho e a admiração de sempre.

    ResponderExcluir
  8. SEM PRETENDER, POR TODOS OS MOTIVOS, MONOPOLIZAR NENHUMA VERDADE, MAS NA CERTEZA DO QUE DIGO POR FALAR SOBRE O ÓBVIO, O HOMEM NASCE INOCENTE, BOM, É MANANCIAL DE BONDAD, DE CONSEQU~ENCIA SOB A ÉGIDE DA LEI DA CAUSALIDADE. SOB A PRESSÃO DA SOCIEDADE IRÁ CONTINUAR BOM OU NÃO. A MALDADE, CONTUDO, DEVE SER SEMPRE E A TODO INSTANTE, COMBATIDA, COM TODAS AS FORÇAS. SE TODOS SÃO "BONZINHOS" OU NÃO É OUTRA SCOISA, PERMITA, EXISTEM OS PECADOS DE CONSCIÊNCIA, QUE MARTELAM, CAPITAIS, DO "CAPUT", DA CABEÇA, E OS PECADILHOS. O MAL, CONTUDO, NÃO É NECESSÁRIO, COMO ENSINAVA A ARQUICADEIRA DO GÊNIO AQUINIANO, SÃO TOMÁS DE AQUINO, UM ABRAÇÃO QUERIDA. CELSO

    ResponderExcluir
  9. Oi, Ana! Aplausos por tua lucidez e objetividade neste expressivo e esclarecedor texto! Entendo que ninguém é totalmente bom, nem totalmente ruim. Todos temos dentro de nós os genes da bondade e da maldade. Grande abraço..

    ResponderExcluir
  10. O mal não pode ser desconhecido nunca. É o lado obscuro da humanidade, e nosso também, claro. Quem não se conhece corre o perigo de ser vencido por ele, em determinado instante.
    Belo tema, Ana!
    Abraço. Jorge

    ResponderExcluir
  11. Ana assino embaixo, realmente a omissão de certa forma é também uma maldade, ela deve ser sempre combatida, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  12. A maldade também me atingiu... sem mais nem por quê... paciência, não mudarei meu jeito de ser... Lindo seu ensaio sobre a maldade humana... Escrever sobre esse tema é muito complexo... vai entender o que passa nessas cabeças más...
    bjo

    ResponderExcluir
  13. Estimada Ana, olá! Mesmo com escasso tempo, não hesitei em ler e parabenizar sua opinião expressada aqui de maneira tão inteligente e coerente! LOAS! "O MAL se combate com o Mal; gerando-se por conseguinte o Bem"...Deveras um antagônico mas verdadeiro paradoxo em minha opinião!...Saudações deste que lhe admira! Luís Carlos Facuri.

    ResponderExcluir
  14. Muito boa sua crônica. O mal só existe (é "fabricado") dentro da mente humana - me explico melhor: no meu modo de ver, toda a natureza é construtiva, pacífica, solidária, benevolente, perfeita. É o próprio Amor encarnado. -- A mente humana é dividida e essa dualidade é a causa das mazelas que vemos, infelizmente, acontecendo no mundo. Abraços.

    ResponderExcluir
  15. Creio que Deus e o Diabo vivem dentro do homem. Dependendo de qual você alimenta, ele surge...

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

IDADE

UMA BRINCADEIRA - MAS UMA BRINCADEIRA SÉRIA! IDADE A idade  tocou-me no ombro,  Perguntando: “Quem é você?” ...