Espaço





ESPAÇO

Desta vez
Não te darei nenhum espaço,
Mas deixarei
Que tu tropeces em teus próprios passos,
E que te enredes nas sujas fitas
Dos teus próprios laços!

Pensas que não sei o que tu queres?
Pensas que sou tola,
Que não conheço
Aonde queres
Cavar-me, com tuas colheres?

Se é briga, o que queres,
Estás sozinha!
Arranje um espelho,
Pois que tua própria imagem
Já te espezinha,
Criatura falsa,
Covarde e mesquinha!


Comentários

  1. Recado bem dado, certamente será entendido! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana
    Com determinadas pessoas, a melhor arma é o silêncio.
    Bjux

    ResponderExcluir
  3. Uma poesia com endereço certo!Uma resposta bem elegante!Bjs,

    ResponderExcluir
  4. Taí, vistam a carapuça para levarem tabefes com luvas de pelica!

    Aplausos daqui, Ana!

    bacios

    ResponderExcluir
  5. Ana Bailune

    O poema será direcionado, mas não deixa de se adaptar a muitas situações. A nossa luta tem de ser mesmo com o espelho. Vida só pode ser competitiva connosco.
    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos