quarta-feira, 19 de junho de 2013

Espaço





ESPAÇO

Desta vez
Não te darei nenhum espaço,
Mas deixarei
Que tu tropeces em teus próprios passos,
E que te enredes nas sujas fitas
Dos teus próprios laços!

Pensas que não sei o que tu queres?
Pensas que sou tola,
Que não conheço
Aonde queres
Cavar-me, com tuas colheres?

Se é briga, o que queres,
Estás sozinha!
Arranje um espelho,
Pois que tua própria imagem
Já te espezinha,
Criatura falsa,
Covarde e mesquinha!


5 comentários:

  1. Recado bem dado, certamente será entendido! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana
    Com determinadas pessoas, a melhor arma é o silêncio.
    Bjux

    ResponderExcluir
  3. Uma poesia com endereço certo!Uma resposta bem elegante!Bjs,

    ResponderExcluir
  4. Taí, vistam a carapuça para levarem tabefes com luvas de pelica!

    Aplausos daqui, Ana!

    bacios

    ResponderExcluir
  5. Ana Bailune

    O poema será direcionado, mas não deixa de se adaptar a muitas situações. A nossa luta tem de ser mesmo com o espelho. Vida só pode ser competitiva connosco.
    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

MISTÉRIO

  Existe um jardim, e nele, uma flor Que todos procuram Embora alguns digam que ela não é. E muito se diz sobre a sua cor: Vermelha o...