witch lady

Free background from VintageMadeForYou

terça-feira, 25 de junho de 2013

Por que Jogamos na Loteria?





Trecho do livro "Pílulas de Neurociência Para uma Vida melhor", de Suzana Herculano-Houzel



Matemáticos e economistas adoram fazer tabelas com as chances de investimentos darem certo ou errado, e dizem que devemos usá-las para tomar decisões racionalmente. Faz sentido, é claro. Só não funciona na prática- porque o ser humano tima (felizmente!) em não se guiar apenas pela razão.

Por exemplo: diz a matemática financeira que devemos sempre aceitar qualquer divisão, de prêmios ou balas, que nos for ofertada. Mesmo as injustas: afinal, qualquer coisa no bolso é melhor do que um bolso vazio. No entanto, ofertas injustas despertam protestos do córtex da ínsula, aquela parte do cérebro que sinaliza desgosto e repulsa.  Se a ínsula fala alto o suficiente , seus protestos ganham tendências racionais - e acabamos por recusar uma oferta que, racionalmente, deveríamos ter aceitado.




Loterias são exemplos divertidos do oposto: situações em que a razão manda não se fazer investimento algum, pois a chance de retorno é ínfima. A própria Caixa deixa bem claro em seu site: a chance de um apostador da Mega Sena jogar em seis números e acertar todos os seis em um concurso qualquer é de uma em 50 milhões. Dito de outra forma, quem faz um jogo tem 49.999.999 chances em 50 milhões de apenas ficar R$1,75 mais pobre. O córtex pré-frontal toma nota e vota - racionalmente - por guardar o R$1,75 no bolso.

Mas outras parte do cérebro pensa em outra coisa: quão bom seria ganhar o prêmio? Por mais improvável que seja, a eventualidade de um prêmio de vários milhões de reais certamente seria motivo de grande euforia e muitas coisas desejáveis - casa própria, carro, segurança. O sistema de recompensa, que sinaliza para o restante do cérebro o que tem chance de dar bons resultados, também toma nota e dá seu voto.




Quem toma a decisão, no fim das contas, parece ser uma região no centro pré-frontal, que pesa os possíveis custos (quando a ínsula se importa de perder R$1,75) e benefícios  (quanto o sistema de recompensa gostaria do prêmio). Pelo jeito, essa parte do cérebro de cerca de 2 milhões de brasileiros entende a cada concurso que R$1,75 é um custo baixo para se concorrer à chance, mínima mas real, de ganhar uma bolada.

Se fôssemos racionais, não apostaríamos na Mega Sena  nunca - e, como o prêmio vem da arrecadação com as apostas, não haveria prêmios milionários a dividir entre improváveis ganhadores. Afinal, certo mesmo é o seguinte: quem não joga na loteria tem 100% de chance de não ganhar!



4 comentários:

  1. Eu, particularmente, dificilmente aposto. Não tenho fé suficiente para achar que, em meio a esses milhões de pessoas, seria eu a beneficiada... rsrsr! Gostei da leitura! Beijos, Anna.

    ResponderExcluir
  2. Ana,

    É exatamente por isso que nunca ganhei! rsrs!
    Gr. Bj.!

    ResponderExcluir
  3. Eu não jogo nunca, nem em jogos que se tem uma chance maior! Beijos!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Parceiros

PALHA

  Vasculho o entulho Desse meu silêncio Em busca de algo Que eu tenha a dizer, Uma inspiração, Palavra parida Do ventre da vida. O vento fus...