MOMENTOS BRANCOS




MOMENTOS BRANCOS

Ah, esses momentos brancos
Nos quais a poesia se ajeita
E relaxa sobre os flancos
Das palavras, que descansam!...

E vem e vai o sentimento
A procurar por certas tintas
Que o revelem, que o traduzam,
Sobre o papel seco e vazio
Da folha branca, que o rejeita!

E um poema se espreme
Rolando pela folha muda...
Senil e frágil criatura,
Nascida de um deus sem paraíso...

E a lágrima vira um sorriso,
Em homenagem ao sentimento
Que mesmo sendo sofrimento,
Revela-se, como é preciso...


Comentários

  1. Folha branca revela a paz necessária para escrever o lindo poema, foi o caso, poema lindo como a cor branca que encanta.

    ag

    ResponderExcluir
  2. Eita Lelê, que poema é esse?
    Imagem que revigora diante dos dias em que vivemos, e versos brancos, que viajam livres sem rimas revelando a beleza sutil do TEU lirismo, Ana!

    Lindo, lindo!

    bacios caríssima

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos