quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

TEMPESTADE AZUL-LILÁS




Desbotam as cores do dia;
Uma estrela ainda brilha,
Antes que o céu feche as portas
Escondendo seus mistérios.

Por trás da nuvem mais negra,
O pesadelo azul-lilás
Reparte-se em feixes de raios
Que enfeitam a tempestade.

Ah, noite tão erma e tão fria!...
Perco o rumo nessa trilha
Sob os raios e os trovões!

Não abrem-se as portas do céu;
Derramam-se nuvens pesadas
Qual lágrimas tristes dos deuses
Que perderam a eternidade
E hoje choram pelo Olimpo
Para onde jamais voltarão...

Ficam comigo somente
A tempestade azul-lilás
E a esperança de que se abram
As portas do céu, novamente,
Devolvendo-me as estrelas
Que eu sei – ainda brilham...










4 comentários:

  1. Você é sensacional, Ana! Vi a chamada pelo face e o título mais a imagem já me conquistaram de cara. Depois, óbvio, teus versos que me lembraram Cecília Meireles. Pelo sentimento, cores e desejo de que algo bom, (ainda) possa retornar.

    Mais uma jóia de Ana Bailune.
    bj

    ResponderExcluir
  2. Aninha, que lindo poema!!!
    Feliz quarta-feira, bjs no seu coração

    Nicinha

    ResponderExcluir
  3. Venham tempestades a cataclismos, o brilho das estrelas sempre permanecerá, logo se note acalmia.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Exageros

    Assisti a um vídeo na internet no qual uma drag queen montada dava palestras em uma escola para crianças que, aparentemente, t...