segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Caldeirão







Caldeirão


A bruxa pega ingredientes toscos
-Asas de morcego, veneno, pele de cobra,
Leite de mãe sem colostro-
Mistura azul de metileno
E cria outra poção,
Com gostas de sangue do coração
Espargidas com os dedos
Durante a libação.

Do mal, nasce o bem,
Das folhas de urtiga
Uma margarida.

E nas sombras, coçam-se as almas
Que perderam a razão
E assassinaram a calma.



2 comentários:

  1. Gosto dessas suas poesias meia misticas. No seu livro tem algumas maravilhosas que li tb! Adorei essa bruxa! bjs,

    ResponderExcluir
  2. A Ana tem multifaces diante de sua literatura que aborda com maestria os temas mais inusitados. Nunca tinha lido um assim, mágico, misterioso, enfeitiçado. Very good may dear!

    bacios

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Sou Luz

Não sou luz; sou uma chama Que teima em manter-se acesa No limiar da incerteza. Minha fé é meu apoio, Meu legado, nes...