segunda-feira, 28 de abril de 2014

VELUDO










Cresce um musgo verde

Macio e aveludado

Sobre tudo,

Sobre o muro,

Sobre as almas

Entre as palmas

E as palavras.




Suave ao toque,

Nem se percebe que ele é morte.

Mais parece um caminho

Enfeitado

Verdejante de vida.




Mas as borboletas não se enganam,

E flanam

Bem longe dali.




O musgo cresce sobre tudo,

Envolve o mundo,

Cobre de umidade a verdade,

Lastra sobre as bocas

E as cidades.




Disfarça em seu veludo

O absurdo e a falácia

E o quanto pode parecerer linda

A iniquidade!




E o musgo cresce sobre os caules

E os troncos das árvores,

Sufoca e mata

Até que não haja mais folhas e flores,

Até que não haja mais nada.




(Mesmo assim, é verde a paisagem)






4 comentários:

  1. "Mesmo assim, é verde a paisagem", lindo demais, bem assim, a ilusão é igual o musgo!
    Amiga, que lindo o novo visual do blogue, aqui sempre há algo novo, nos encanta sempre!
    Amei ler esse lindo poema!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Coisas que muitas vezes nossos olhos ficam presos á beleza pois a emoção é infinita no olhar.Vidas que se apagam sob o verde e outras que se desenvolvem. A natureza tem um pincel mágico e nós os espectadores desta
    Um abração Ana

    ResponderExcluir
  3. Espetacular sua poesia! Calou fundo,Ana! Linda! bjs,

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana, coisa que ninguém percebe e é verde ... lindo e profundo. Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Anoitecer Suavemente...

Anoitecer devagarinho, Suavemente, Como uma teia de aranha que voa Pelo ar, Brilhando sem se notar... Anoitecer sem p...