sexta-feira, 11 de abril de 2014

SOPRO




Eu sopro teu rosto, assim,
(meu rosto, invisível)
Para que te lembres de mim.

Deixo passos silenciosos
Pelo corredor da casa,
Deixo cair uma gota mínima
Do perfume que eu usava.

Mexo as saias das cortinas
Para que te lembres de mim,
Nos tempos em que eu dançava.

Eu venho naquela música
-Lembras? - que eu tanto gostava,
Derrubo em teu colo a flor seca
Que as páginas do livro marcava.

Me deito ao teu lado, assim,
Para que sonhes comigo,
Para que te lembres de mim.

Mas sei que um dia, me esqueces,
(As fotos amarelecem)
Cai a flor sêca no chão
(Tu a pisas sem notar...)

Outros perfumes virão,
Outros risos, outras danças,
Outras formas de viver:
-E então, será minha hora,
De finalmente,  morrer.



2 comentários:

  1. Amiga, lindos versos, a Vida tem disso, conscientização de que nada dura para sempre, nossa Vida passa, tudo passa, saudade há, mas é preciso até com isso saber conviver!
    Um pouquinho triste pensar em morte, mas ela também tem os seus mistérios e sua poesia, eu a encaro muito bem, aprendi isso!
    Abraços e tenhas um lindo fim de semana minha amiga linda!

    ResponderExcluir
  2. Ana,poesia que emociona pois é assim mesmo a vida! Lindíssima! bjs,

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Exageros

    Assisti a um vídeo na internet no qual uma drag queen montada dava palestras em uma escola para crianças que, aparentemente, t...