sábado, 5 de abril de 2014

Pisava em Nuvens







Pisava em Nuvens


Pisava em nuvens de flocos,
Flutuava sempre acima...
Lá embaixo, um mundo de dores
Que jamais a atingia...

Era pura, branca, limpa,
Lábios rosados de mel;
Não conhecia a agonia,
Nem mesmo o gosto do fel...

Da vida, sempre escolhia
O que de mais puro havia,
Não falava de tristezas,
Nada nunca a afligia!

Tecia em volta de si
Pura seda de alegrias,
Fechava os olhos e ouvidos
Para o que fere os sentidos...

Costurava em sua fronha
Material para os sonhos
Que tecia pela noite;
Sempre belos e risonhos!

Não andava: flutuava,
Jamais pisava os espinhos
Que a vida, às vezes, plantava
Pelos áridos caminhos...

Mas um dia, sempre chega
Aquela nuance mais forte
Um tom de dor, uma perda
Perpetrada pela morte!

De negro tingiu-se-lhe a vida
O sorriso se apagou...
Da sua nuvem, caiu,
E de cinzas se banhou!

Os espinhos penetraram-lhe
A sola branca dos pés
Sangrando sua confiança
Diante daquele revés...

As nuvens passavam longe,
E com ela, não sonhavam...
No chão, chamava por elas,
Mas elas nem lhe acenavam!

Seus sonhos morreram todos
De medo e decepção
Ao saber que a dor atinge
Todo e cada coração...

Aprendeu a ser mais forte,
A sonhar com mais cuidado
E a olhar quem percorria
Os caminhos escarpados.



5 comentários:

  1. Amiga Ana, lindo poetar, a Vida tem de tudo, sendo assim é preciso saber nos munir de sonhos, mas também a nos precaver para não cair em ilusões!
    Versos lindos, amei ler!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Nunca devemos perder a força e a esperança.
    O Sol também a cada dia nasce de novo para nos iluminar, tanto no desgosto, como na alegria.

    Um beijo Amigo.

    ResponderExcluir
  3. Que és muito boa poeta sabem bem os teus comentadores. Mas para o meu gosto, nos serves um excecional poema. Tem mais o valor de ser escrito num bonito ritmo positivista.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Que poema contundente
    que entra na alma da gente
    Um sonho , uma decepção
    amargou todo e qualquer coração

    Beijo pra ti querida amiga poeta. Não resisti e escrevi uma estrofe pra saudar esse belo poema.
    estou voltando aos blogs...
    até amiga
    Lu C.

    ResponderExcluir
  5. A dor da separação de alguém especial é marcante.
    Ana, cada vez te admiro mais. Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...