sexta-feira, 11 de abril de 2014

DECRETO




Fica então declarado
Que a partir de hoje,
Todas as estrelas me pertencem,
São meus todos os astros,
Já que não sei brilhar.

São minhas, as ondas do mar,
O sal das águas e os peixes,
Possuo todo o azul profundo
No qual descansam as sereias,
Já que não sei navegar.

Decreto , a quem interessar,
Que todos os pássaros são meus,
São meus todos os seres alados,
E também, as suas penas,
Já que eu não sei voar.

São meus também os poemas,
Todas as métricas, todas as rimas,
Decreto–as minhas por direito,
Já que eu não sou poeta,
Já que eu não sei cantar...



3 comentários:

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...