domingo, 27 de julho de 2014

A Flor Branca




Parecia ser a alma
De alguma princesa
Há muito morta.

Derramava-se toda
Sobre a verde folhagem
Junto à porta.

Seu meigo perfume
Era algo entre o velório
E as rosas.

Uma flor branca,
nasceu sem ser plantada,
Sem ser querida...

Mais uma discrepância,
Doce ironia
Da vida.




6 comentários:

  1. Bom dia Ana
    A visão de uma bela flor branca nos inspira tranquilidade e poesia e você amiga colocou nestes belos versos grande magia.
    Beijos e um ótimo domingo

    ResponderExcluir
  2. Minha querida

    Adorei o perfume das tuas palavras e tomei a liberdade de seguir, para poder voltar mais vezes.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo belo poema, Ana.
    Desejo a você uma boa semana.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Belíssimo, Ana! Uma dor, uma surpresa, uma flor... o nascer e o resistir... Amei!

    ResponderExcluir
  5. Bela poesia com sensibilidade e doçura.
    Abraços Ana.
    Bela ilustração.
    Uma semana de flores a voce, com paz e muita luz.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Anoitecer Suavemente...

Anoitecer devagarinho, Suavemente, Como uma teia de aranha que voa Pelo ar, Brilhando sem se notar... Anoitecer sem p...