A Flor Branca




Parecia ser a alma
De alguma princesa
Há muito morta.

Derramava-se toda
Sobre a verde folhagem
Junto à porta.

Seu meigo perfume
Era algo entre o velório
E as rosas.

Uma flor branca,
nasceu sem ser plantada,
Sem ser querida...

Mais uma discrepância,
Doce ironia
Da vida.




Comentários

  1. Bom dia Ana
    A visão de uma bela flor branca nos inspira tranquilidade e poesia e você amiga colocou nestes belos versos grande magia.
    Beijos e um ótimo domingo

    ResponderExcluir
  2. Minha querida

    Adorei o perfume das tuas palavras e tomei a liberdade de seguir, para poder voltar mais vezes.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo belo poema, Ana.
    Desejo a você uma boa semana.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Belíssimo, Ana! Uma dor, uma surpresa, uma flor... o nascer e o resistir... Amei!

    ResponderExcluir
  5. Bela poesia com sensibilidade e doçura.
    Abraços Ana.
    Bela ilustração.
    Uma semana de flores a voce, com paz e muita luz.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos