DESESPERO




Na beirada de um penhasco,
Os pés hesitam;
Percorrem a barra escarpada
Mantendo os olhos fechados,
Sentindo as pedras do solo
E o perigo do abismo.

Um vento mais forte sopra
-Ah, o suicídio!...
Adrenalina nas veias,
E um medo prisco!

(Vontade de mergulhar
Ou de ser salvo?
De mirar, de atirar,
Ou de ser alvo?)

Caminho escorregadio
E perigoso,
Um espírito se arrisca
No chão lodoso...

Brinca de se equilibrar
Num precipício,
Será loucura, pavor
Ou será vício?



Comentários

  1. Linda poesia.
    Adorei a insistência com o
    "ou medo de ser salvo"?
    Temos tantos destes medos a sanar
    apenas com um abraço, um olhar, um carinho...

    Valeu, guria!
    abraço

    ResponderExcluir
  2. Linda e instigante poesia!!Adorei! bjs, tudo de bom,lindo dia! chica

    ResponderExcluir
  3. Brincadeira perigosa, que dá uma sensação de poder, medo, pura adrenalina.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. Melhor esperar e deixar a loucura passar.
    bjs e bom dia.
    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Saliento exactamente o que colocáste entre-parentêsis :

    "
    (Vontade de mergulhar
    Ou de ser salvo?
    De mirar, de atirar,
    Ou de ser alvo?)
    "

    Um beijo, Ana, minha querida.

    ResponderExcluir
  6. Há tantos que procuram as loucuras e os perigos como forma de chamara a atenção... como forma de dizer que precisam de carinho, de certa froma, de uma suposta salvação...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos