O que eu Vejo






Eu vejo
Os ponteiros do tempo
Nas tuas pupilas
Quando tu me olhas.

Eu vejo os acontecimentos
Percorrendo os trilhos
Das nossas histórias
Que se cruzam,
Seguem paralelas
E voltam a cruzar-se
Em uma configuração
Aparentemente aleatória.

Eu vejo a poesia
Passando como o vento
Deixando sussurros
Que eu recrio
E reinvento.

Mas o que mais fica,
É o tempo,
Que passa voando,
Que passa correndo
Enquanto me olhas...





Comentários

  1. Tão bonito, Ana !...
    Eu acompanho o teu olhar sempre que plano devagarinho à tua volta.

    Um beijo, querida Ana.

    ResponderExcluir
  2. Bonito poema! O tempo no olhar!
    Um abraço... Boa noite e boa 5a feira...

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, Ana!
    Gosto muito da delicadeza das suas palavras, belo poema, como sempre!
    E a letrinha que usa em sua postagem, deixa tudo mais belo.
    Abração e lindo dia.

    ResponderExcluir
  4. Belo poema. Soa musical. Um abraço. Agradeço aqui tuas visitas ao meu modesto espaço. Tenhas uma linda quinta-feira.

    ResponderExcluir
  5. E do tempo ninguém poderá fugir.
    bjs
    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. E o tempo tem asas longas e largas.
    Linda inspiração com reflexão.
    Carinhoso abraço Ana.

    ResponderExcluir
  7. Coisa boa demais essa poesia! Ficou maravilhoso esse olhar! Puro amor! bjs,

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos