segunda-feira, 4 de agosto de 2014

A TRAÇA

A TRAÇA


A traça ameaça
Roer, corroer,
Esburacar tecidos
E antigos livros.

Tão ruim, tão sem-graça
O mote da traça!

A traça quer jaça,
A traça faz pirraça,
A traça estica o olho
E olha no buraco
Do ferrolho.





A traça
Quer desgraça,
E isto não passa!

Entala-se de linho podre,
Mordisca ataduras
Úmidas de pus.

Penso:

"Entre dois polegares,
Cala-se a traça."

Abrem-se as vidraças
E morre de frio
A traça.




6 comentários:

  1. Mas como a traça mereceu a sua atenção?!!! Fez-me sorrir!!!
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  2. Uma inspiração ímpar e bem elaborada. Muito boa! Amei. Luz e paz. Beijo no coração.

    ResponderExcluir
  3. Ana Bailune

    A traça bem que retraça, o teu poema tem chalaça. Mas o melhor, ou seja pior para as elas são folhas de eucalipto verdes, Não sei se essa árvore existe no Brasil. Em casa tenho de ter muito cuidado, devido ao elevado acervo de documentação,
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. O fechamento é fenomenal, a traça que passa, que faz a desgraça e morre na praça.
    Bela sonoridade com muita arte.
    Parabéns Ana.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...