segunda-feira, 12 de maio de 2014

Vou te Ver de Novo

sol e chuva, da varanda da minha casa


Se de manhã bem cedinho
Dia e noite se encontram,
Se chuva e sol se misturam
Mesmo que de vez em quando,

Eu sei, sinto que um dia
Apesar do imenso abismo
Que hoje em dia, nos separa,
Chegará a hora exata
Em que vou te ver de novo...

O luar encontra o sol
Ao nascer de uma manhã,
No céu claro, ainda brilha
Uma estrela temporã...

Sob um arco-íris qualquer
Após horas, após vidas,
Sei que vou te ver de novo,
Sei que vou te ver de novo...





5 comentários:

  1. Que poema bonito! "Chegará a hora exata em que vou-te ver de novo", como chegará a hora em que lerei, de novo, mais esse destaque poético de Ana. Também, não é, é Ana Bailune!

    ResponderExcluir
  2. A vida é feita de certezas mas tb de incertezas. Nada como um dia após o outro.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. Estou na Irlanda, chove praticamente todos os dias, na zona onde
    me encontro, portanto este poema está mtº. adequado e como
    sempre mtº. bem escrito. Gostei muito.
    Bj. e desejo que esteja bem.
    Irene Alves


    ResponderExcluir
  4. Que linda certeza,Ana!! Linda inspiração e certeza! beijos,chica e linda semana!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...