O Profeta







Do alto da minha torre
Envolta em neve e luar
Olho um mundo a contorcer-se
Competir e labutar.

O silêncio me acompanha,
Eloquente não-falar...
No bordado da minha fronha,
Nenhum sonho a se sonhar.

Do alto da minha torre
Pego um raio de luar
Desço ao mundo, falo aos homens,
Da importância de amar.

E eles me ouvem um pouco,
Mas logo prendem os dedos
Nas engrenagens do tempo
E consideram-me louco.

Volto ao alto da minha torre
Esquecendo as profecias...
Já não há gente no mundo,
Somente almas vazias

Que já nem tem esperanças,
São inúteis, mortas, frias,
Vem a névoa, encobre a torre
-Quem sabe, eu desça outro dia?...


Comentários

  1. São tantas as profecias! Muitas de amedrontar, outras nem tanto...e o tempo passa e mais profetas surgem...Vai-se vivendo, com poesia...até um dia...
    Meu abraço, Ana

    ResponderExcluir
  2. oi Ana querida,

    A humanidade anda vazia, sem rumo e eu confesso que isso me deixa apavorada.
    As pessoas falam de amor, mas não amam, não se respeitam.
    O que vemos são mortes todos os dias, das formas mais banais.
    Se seu tivesse na torre acho que não ia querer descer não rs...
    bjokas e um lindo fds =)

    ResponderExcluir
  3. Há outras vozes sendo abraçadas pelos homens, que ignoram o chamado para a solidariedade e o amor. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Só consegue ouvir as vozes do mundo e seus chamados aqueles que por um instante se afastam em silêncios e depois retornam com mais entusiasmo e sabedoria. A torre, sem dúvidas, nos dá essa visibilidade quando para ela nos refugiamos, mas é preciso saber dela descer e cumprir nossa semeadura. Excente construção poética que esbanja reflexões...
    Um abraço, Ana!!!

    ResponderExcluir
  5. Excelente poesia para refletir. Mesmo com almas vazias a sonoridade do amor se fará ouvir. Importante é o tempo de reclusão, mas retornar se faz vital. Muita luz e paz.Uma feliz semana. Beijo no coração

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos