(Des)considerações




Todos os dias, ao ligar o rádio, a TV ou o computador, eu fico sabendo de alguma coisa que me choca ou me desgosta, deixando um sabor amargo na minha boca. Atos de desprezo e desconsideração pelo outro, humilhações, casos de bullying e de falta de respeito, preconceito, mentiras, ódio.

As pessoas parecem ter perdido o bom senso completamente. O velho ódio entre classes renasce, e dois times de pessoas são estabelecidos: ricos X pobres. Quem se considera do time dos pobres, enxerga aqueles que ele acha serem ‘ricos’ como sendo seus opressores, dando-lhes adjetivos que variam entre ‘burgueses nojentos’ e ‘coxinhas.’  Enquanto isso, o que se coloca do lado dos ‘ricos’, vê os pobres como malandros, vagabundos e aculturados.

Ao mesmo tempo, vejo que o ódio racial – que muitos acreditavam estar praticamente abolido neste país – ressurge de repente das formas mais vis. A mais recente vítima foi a apresentadora do Jornal Nacional, Maju Guerra. Lamento profundamente que este texto e todos os que foram ou serão escritos sobre este assunto, nada poderão fazer para mudar a cabeça dos preconceituosos. Nada do que se diga é capaz de sensibilizar ou educar pessoas assim, que parecem ter nascido com o ódio e o preconceito nas veias. Elas estão perdidas. Não creio que um dia poderão pensar diferente, e para elas, desejo apenas a punição da lei.

Só há uma maneira de melhorar esta situação, e ela começa dentro de cada lar: educar e  aconselhar as crianças, dando a elas valores e bons exemplos. Acho que o que antes era apenas uma necessidade, hoje torna-se urgente. Quando penso que estas pessoas que espalham o ódio, o preconceito e a violência tem ou terão filhos que crescem ou crescerão sob seus tetos e aprenderão a pensar como elas e a fazer as mesmas coisas, eu me pergunto o que será de nós.

O ser humano é a criatura mais ambígua do planeta, pois ao mesmo tempo que cria coisas maravilhosas, como a internet e os computadores, acaba dando a elas os piores usos. Chamam de liberdade de expressão o direito de difamar, caluniar, ofender, e diminuir os outros. Usam esta mesma liberdade de expressão que tanto pregam a fim de tentar, veladamente, constranger e calar aqueles que pensam diferentemente deles – os “ignorantes.”

Acredito que só há uma única coisa que gera toda a violência, ódio, preconceito, disputas, pretensão e abuso: ela é um das coisas mais arraigadas na alma humana, que deveria ser trazida à tona, examinada, compreendida e trabalhada, a fim de ser diminuída à níveis toleráveis que  tornem seus possuidores pelo menos passíveis de conviver de forma saudável com os outros; este sentimento, esta coisa pegajosa, é  a burrice.

Não a burrice de quem tem pouco estudo, pois a intelectualidade pouco significa quando se fala em inteligência, mas o pior tipo de burrice, a que é a filha do orgulho exacerbado e da autoestima exagerada, e que leva seu possuidor a achar-se sempre mais que todos, melhor que todos, acima de todos. O preconceito de classe, racial, sexual ou religioso só pode ser explicado quando olhamos para estas pessoas mais de perto e percebemos o quanto elas são burras.




Comentários

  1. Bom senso é algo inteiramente fora de moda nos dias de hoje ... é uma lástima mesmo ...

    ResponderExcluir
  2. Ana, é lamentável a situação, em que alguns persistem em continuar a extravasar seus piores sentimentos: o preconceito.
    A omissão ou indiferença nada acrescenta, é preciso combater e punir esses comportamentos. Gostei muito de sua postagem, precisamos nos posicionar.
    Obrigada, feliz e abençoado final de semana, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  3. Triste e real, infelizmente estamos vendo pessoas tão infelizes, mas tão infelizes e invejosas que nem vale a pena comentar sobre tais, embora seja o seu texto/poema reflexivo, que seria muito bom que pessoas assim como dizes"burras" pudessem ler e quem sabe fazer um esforço para entender, mas infelizmente até nisso não há como atingir!
    É uma pena, uma tremenda pena que haja pessoas assim, "invejosas e preconceituosas", pois quem fez essas alusões são das que mais atingiram o nível baixo da autoestima, não são as que se sentem melhores do que "ozotros", são as complexadas mesmo!
    Abraços amiga Ana!

    ResponderExcluir
  4. Acredito que o investimento na educação pode ser a chave.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Ana, nunca deixou de haver, nas nossas civilizações haverá mais racismo de classes do que propriamente de étnias. Cá isso com a revolução. A cultura para atenuar, sempre é eficaz.
    Porém há civilizações, quanto isso muito complicadas,
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Pois é cara Ana
    O preconceito racial não ressurgiu, sempre esteve entre nós, ele hoje tem mais visibilidade e voz
    O religioso o mesmo e todos os outros
    Aqui na Bahia, terra de predominância negra, de pessoas que respeitam a diversidade no carro chefe do estado, há muito racismo, escrachado e nas entrelinhas
    E na minha opinião, mais do que o chamar de macaco e declarações desse tipo, chocantes e públicas é o racismo velado e a miúdo, tipo ao passar com uma bolsa no mercado como vi esses dias, um rapaz negro e com roupas humildes, perfumado e sorridente a minha frente com o dinheiro contado nas mãos e eu a imaginar se era para namorada, esposa, mãe, avó aquela bolsa, que estava cara e ele no shopping compraria uma melhor, comentou meu marido depois
    Eu respondi a ele o que achei, que não devia ter hábitos de shopping, talvez não tivesse o dinheiro para condução até o shopping, provavelmente não se sentiria bem, por conta do preconceito a miúdo do cotidiano, vestido daquele jeito, numa grande loja de departamentos
    E minha indignação se deu, quando a moça do caixa, passou a bolsa e saiu um valor a menos e ela olho pra ele e disse o valor da etiqueta estava diferente do que saiu (etiqueta devidamente presa ao produto), com tom e ar desconfiado, que bom e quantas vezes acontece isso e a caixa me diz sorrindo
    Após o silêncio do rapaz ela confere a bolsa, bolso a bolso interno, sacode de cabeça pra baixo, confere mais uma vez, fiquei indignada
    Fico indignada
    marido disse que é praxe, não, não é, voltaria e compraria a mesma bolsa, passando pelo mesmo caixa e não haveria a conferência

    Em minha família, de espanhóis, todos são cor de pão cru e meu sobrinho do pequeno e lindo, do casamento de minha irmã com uma rapaz de descendência negra, é moreno
    De uma amiga negra, ao vê-lo pela primeira vez, o comentário: Saiu moreninho ele!

    Para que esse comentário?
    Que comentário ridículo!
    Saiu
    Tipo pão que assou demais
    Que observação desnecessária
    Imediatamnte pontuei e acredite fui eu que passei de chata

    ResponderExcluir
  7. É meninas, ando também indignada com muitas coisas, mas acredito de verdade que minha indignação não vai em nada mudar o rumo da prosa, como se diz aqui em Minas. Certo mesmo é mudarmos e mostrarmos atitudes diferente. Ser exemplo, ser modelo, para mim sempre foi a melhor ajuda.
    Acredito também que precisamos tomar cuidado tanto o que o que lemos e ouvimos, como o que falamos e escrevemos. A mídia toda parece que esta se divertindo com esta loucura que assola nosso país de uns tempos para cá. Tudo esta tomando proporções muito maiores do que as devidas e fazendo a população ou se encolher em seus medos e inseguranças, ou levantar as vozes indignadas e revoltadas, tornando tudo ainda pior.
    Parece que está havendo um descontrole emocional coletivo e isto me preocupa muito.
    Enfim, concordo com com você Ana, vamos começar por nós mesmos e pela nossa família, quem sabe se através de uma corrente se consegue atingir um grupo maior e as coisas comecem a melhorar.
    O importante é cada um fazer o que lhe for possível.
    O meu abraço solidário.

    ResponderExcluir
  8. O ser humano tem dois lados sempre tipo positivo e negativo..... Cria e destrói ao mesmo tempo.
    Bj Lisette.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos