segunda-feira, 20 de julho de 2015

DISTRAÍDA




Eu ando distraída, amiga,
Do que me aborrecia,
Das cartas amarelecidas,
Das telas mal-pintadas,
Das letras escorridas...

Eu vou como quem veio, amiga,
De uma longa festa,
Ainda embriagada,
O coração selado,
Cansada e sonolenta...

Perdão se eu não te vi, amiga,
Eu ando distraída...
Carrego meus sapatos,
Meus pés pisando nus
O chão quadriculado
Das minhas avenidas...





5 comentários:

  1. O mais importante é não perder as esperanças de dias melhores com avenidas alegres e bem iluminadas. Lindo!

    Abraços,

    Furtado.

    ResponderExcluir
  2. Por vezes, o melhor mesmo é nos desligarmos, quando temos já cansados os olhos e o coração. Bjs.;

    ResponderExcluir
  3. Maravilhosa inspiração, Ana, às vezes é preciso se desligar de certos detalhes, para que o peso da vida seja menor, mas quando isso acontece, tudo passa, quase que imperceptível, bjos.

    ResponderExcluir
  4. Maravilhosa inspiração, Ana, às vezes é preciso se desligar de certos detalhes, para que o peso da vida seja menor, mas quando isso acontece, tudo passa, quase que imperceptível, bjos.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...