segunda-feira, 20 de julho de 2015

DISTRAÍDA




Eu ando distraída, amiga,
Do que me aborrecia,
Das cartas amarelecidas,
Das telas mal-pintadas,
Das letras escorridas...

Eu vou como quem veio, amiga,
De uma longa festa,
Ainda embriagada,
O coração selado,
Cansada e sonolenta...

Perdão se eu não te vi, amiga,
Eu ando distraída...
Carrego meus sapatos,
Meus pés pisando nus
O chão quadriculado
Das minhas avenidas...





5 comentários:

  1. O mais importante é não perder as esperanças de dias melhores com avenidas alegres e bem iluminadas. Lindo!

    Abraços,

    Furtado.

    ResponderExcluir
  2. Por vezes, o melhor mesmo é nos desligarmos, quando temos já cansados os olhos e o coração. Bjs.;

    ResponderExcluir
  3. Maravilhosa inspiração, Ana, às vezes é preciso se desligar de certos detalhes, para que o peso da vida seja menor, mas quando isso acontece, tudo passa, quase que imperceptível, bjos.

    ResponderExcluir
  4. Maravilhosa inspiração, Ana, às vezes é preciso se desligar de certos detalhes, para que o peso da vida seja menor, mas quando isso acontece, tudo passa, quase que imperceptível, bjos.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...