A Saudade que eu Sentia










A saudade que eu sentia
  Passou,
    Como um trem que vai pra longe
        Levando dentro dele
           A dor que me apertava.

Eu vi você,
   À janela desse trem,
      E me despedi
                  Sem medos ou sustos,
                          Sem apegos ou suspiros
                                    Da mão que me acenava...





Comentários

  1. Ana Bailune, a saudade sempre passa, esvoaça, para se encontrar mais além. Sempre bons poemas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Tão lindo o teu poema, ANA !
    Mas a verdadeira saudade mão passa não...


    Um beijo, querida Ana.

    ResponderExcluir
  3. DESAPEGO... essa é a palavra! Custei, mas aprendi. Que os trens levem tudo de ruim para longe sempre. Parabéns. Bjs

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana!
    Estou espantado. Veja a postagem que acabei de fazer no meu Blog.
    Tem tudo haver com esta sua. Nossa como é bom quando não dói mais! Deus! É um milagre...

    E que venha a chuva para você amiga. A Nutridora Tempestade.
    Um beijo agradecido.
    Vc tem Face?

    ResponderExcluir
  5. Olá Ana, o que nos machuca, não nos deixa saudade.
    Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  6. Olá Ana, o que nos machuca, não nos deixa saudade.
    Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  7. E quando chegamos numa nova estação, eis que ela se apresenta.
    É duro escapar desta saudade nas paralelas dos trilhos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos