segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Talvez eu Morra








Talvez eu morra,
E há de ser 
Um ato de fé,
Não de vingança...

E a minha morte
Não vai ser nada,
O mundo vai girar
E o dia vai raiar
Como sempre.

Talvez eu morra, sim,
Mas não há de ser
Por você - e nem por mim;
A minha morte
Não será nem
Um golpe de sorte,
Mas uma prova
Da misericórdia
Da vida.

Talvez eu morra,
Quem sabe, hoje,
E tu descubras
Que a tua vida
Ficou vazia,
e no teu peito
Ficará sempre
O meu vazio, 
A tua azia...





Um comentário:

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

IDADE

UMA BRINCADEIRA - MAS UMA BRINCADEIRA SÉRIA! IDADE A idade  tocou-me no ombro,  Perguntando: “Quem é você?” ...