O PODER DO VERBO PODER






Nossas almas são campos vastos, e não conhecemos todos os seus caminhos. Por isso, nos perdemos durante a caminhada. Não conhecer a si mesmo faz com que apontemos para o outro, quando ele cai, batendo no peito e dizendo que se fosse o caso, se estivéssemos na mesma situação, faríamos diferente deles. Este é justamente o caso das pessoas comuns que observam os que estão no poder. Falam de seus desmandos e erros, promessas não cumpridas e corrupções, como se fossem, eles mesmos, isentos de culpas. Juram que teriam feito bem melhor, ou que fariam bem melhor, se a chance lhes fosse dada, mas não conhecem o suficiente as suas próprias almas para saber se teriam sido mais fortes do que aqueles que se corromperam.

O poder conjuga o verbo poder: poder acima de todas as coisas, acima de tudo, abrir a mão e pegar, tomar para si o que não lhe pertence, usar como bem entende o dinheiro público, pois afinal de contas, “Se eu não pegar, outros o farão, é dinheiro perdido, é muito dinheiro... serei esperto, e estarei apenas fazendo o que os outros fazem ou fariam.” As pessoas que agem assim estão erradas, sabem que estão erradas, sabem que suas almas estão sendo corrompidas – não pelo poder em si, mas pela sua própria falta de autocontrole e desconhecimento de si mesmo.

Contra a situação, existe sempre a oposição, composta daqueles que apontam a situação e dizem que fariam diferente. Mas será que fariam mesmo? Será que, diante do poder do poder, teriam força espiritual para não agirem da mesma forma, ou até pior? Será que, bem lá no fundo de suas almas, em um cantinho secreto que eles próprios desconhecem, não reside uma pequenina pílula chamada inveja do poder, que nada mais significa do que a vontade de estar no poder para que possa abocanhar seu quinhão? E pelo que eles lutam, realmente? Por um mundo melhor para todos ou para si próprios?

É muito difícil ser; acordar todos os dias, enfrentar as dificuldades da falta de dinheiro, trabalho excessivo, condução lotada, sonhos abortados, e apesar de tudo, não se tornar amargo ou ingrato. Muitas vezes, achamos que a vida “nos deve algo.” Olhamos para os que estão no poder, e dirigem seus carrões, passam as férias em resorts luxuosos, vestem-se bem, comem do melhor, e pensamos: “Tudo com o nosso dinheiro!” Mas quanto deste pensamento "social" é verdadeiro? Talvez, por trás deste ressentimento político, a verdadeira sentença seja “Eu gostaria de estar no lugar dele para ter poder e desfrutar de todas estas coisas.”

Nasce a oposição, que ao invés de focar-se em seus projetos, tenta apontar erros e minar o poder da situação para, simplesmente, tornar-se a nova situação. E assim, a situação nunca muda.



Comentários

  1. Bom dia Ana, nossa, como colocastes muito bem aqui nesse texto muito bem escrito,o que é a fragilidade do ser humano que julga tudo e nem sequer pensa no que faria se estivesse no lugar dos que estão no Poder!
    Nem é preciso estar no Poder para ser corrupto, isso já vemos em todas as camadas da sociedade.
    Amiga, muito boa reflexão, é bem assim!
    Abraços bem apertados!

    ResponderExcluir
  2. Desculpa, querida Ana, mas não estou de acordo contigo !
    Vejamos calmamente o que quero dizer :
    Claro que à OPOSIçÃO compete isso mesmo, ou seja, fazer oposição e, sobretudo, denunciar nos momentos correctos e nos momentos certos.
    Mas, como tu dizes, será que apenas esperam para também meter a mão ao saco ?
    - É aqui que, essencialmente, discordo.
    Cá, é habitual o novo governo lamentar-se da "pesada herança" deixada pelo anterior.
    Então, eles não sabiam e não tinham o dever de tudo averiguar em tempo adequado ?
    Com o mundo em permanente ebulição ( veja-se o caso do Extremo Oriente e dos islâmicos mais fundamentalistas, repare-se na "guerra" que reina na produção do petróleo...
    Obviamente, que tudo isto ( e só coloco em cima da mesa dois aspectos ) tem consequências e que, sendo factos novos, não podiam ser previstos com anos de antecedência. Muito menos as suas sequelas nas economias de uns e outros ( e dos próprios países cuja economia assenta basicamente no ouro negro ).
    Mas eu falo de ROUBOS que a Justiça assente em leis elaboradas sabiamente por advogados permitem a escapadela por anos a fio dos chamados senhores do colarinho branco.
    Fico-me por aqui...
    E fica também um beijo para ti.

    ResponderExcluir
  3. Olá, João. Falo dos corruptos aqui no meu país, e da oposição, que dá nojo, pois entra eleição, sai eleição, nada muda: a oposição vira situação, e a situação que virou oposição fala mal da oposição que virou situação. E nada muda.

    ResponderExcluir
  4. Todo mundo sonha com poder, até Lucifer quis ter o poder de Deus.
    O problema é que muitos não tem capacidade de tê-lo, quando tem fazem tudo errado.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  5. Excelente! Certa vez ouvi de um político muito famoso, já falecido, que: "Todos nós somos corruptíveis, todos nós temos o nosso preço. O incorruptível é aquele que não acertamos o valor." Será? Muita luz e paz. Beijo no coração

    ResponderExcluir
  6. Excelente! Certa vez ouvi de um político muito famoso, já falecido, que: "Todos nós somos corruptíveis, todos nós temos o nosso preço. O incorruptível é aquele que não acertamos o valor." Será? Muita luz e paz. Beijo no coração

    ResponderExcluir
  7. Nem é preciso acrescentar muito, você já disse tudo. Um pequeno adendo apenas. Vi um psicólogo famosop dizer na tevê: "Não concordo com frase 'a ocasião faz o ladrão', pois se você é honesto, a ocasião vai aparecer e você não vai roubar. Se roubar é porque o ladrão sempre esteve dentro de você". Vejo gente falando de corrupção por aí, mas fura fila do banco, sai com troco a mais da padaria e não devolve, etc etc. Gosto dessa frase: "Quer conhecer o homem, dê-lhe poder". Parabéns!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos