sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

MORTE: UM CASTIGO?








O que é a morte, qual o seu significado? Acho que ele é mais simples do que parece a todos nós. Morrer significa que se esteve vivo. Todos morreremos um dia, e portanto, a morte não é um castigo, ela é apenas o fluxo da vida desaguando em seu mar.

A minha fé é na vida, não na morte. O que dói não é a morte em si, mas a separação. Choramos pelo que não nos ficou, pelo que perdemos, pela distância que se estabelece; é como se a pessoa que se foi tivesse viajado de repente para bem longe, e a única certeza, é de que não a veremos mais enquanto estivermos aqui. Mas resta-nos a esperança de um dia, quando a nossa viagem chegar, reencontrá-la.

Não desejo a morte a ninguém. Isto é falta de fé, além de egoísmo. Todo mundo que está vivo tem o direito de estar vivo. Há momentos de fúria, quando fico sabendo de algum crime cruel contra alguma criatura inocente, em que desejo a morte, o desaparecimento desta pessoa que o cometeu, mas depois eu vejo que estou errada. A morte de uma pessoa não faria justiça a ninguém. Deus não mata, Deus não nos ajuda nas nossas vinganças tolas e egoístas.

Existe um sentido maior por trás de tudo. Se meu inimigo morre, não é pelo mal que eu penso que ele me fez, não é por causa do meu desejo de vingança, do meu ego ferido, da praga que eu roguei. Ele morreu simplesmente porque estava vivo, chegou a sua hora. Jamais teria a pretensão de pensar que alguém morreu porque Deus achou melhor fazer justiça a mim, como se eu fosse alguma criatura livre de faltas, imaculada, pura, maior. Este pensar é apenas uma armadilha do ego.

Também não faz sentido desejar que a alma de alguém que se foi esteja queimando no inferno, o que denota a certeza de que nós iremos "para o céu," que somos bonzinhos, e que temos privilégios. Este pensamento já denota o atraso espiritual de quem o demonstra. A pessoa que se foi deixou amigos. Deixou família, filhos, quem sabe, pais, irmãos, admiradores. Ela teve uma vida que merece ser respeitada. Não merece ser exposta a escárnio, maledicência, ódio. Se eu não gosto de alguém que se foi, mantenho meu silêncio a respeito - mesmo que seja apenas em respeito à família que ficou, e que está sofrendo. O meu pensamento é livre, porém, e posso pensar o que quiser - mas devo ter cuidado até mesmo (e talvez, principalmente) com os meus pensamentos!

Viver é estar em contato direto com a morte, que descansa sempre a uma respiração de distância; se a respiração pára, eu morro. O corpo se vai. Mas existe uma parte que não morre, e ninguém pode matar. E esta parte vem de uma Força que passa por todos nós, unindo-nos como uma linha de costura, sem fazer distinção entre os "bons" e os "maus," os "seres de luz" e os "seres das trevas." Viemos todos das pulsações de um coração que conhece suas próprias razões, e só ele as conhece. 





7 comentários:

  1. Ana um texto forte e real, concordo plenamente com você, a morte jamais será um castigo, mas apenas um retorno a nossa verdadeira pátria. Um novo ano com muita fartura de amor, paz, fé e saúde, bjos

    ResponderExcluir
  2. Bom dia linda amiga Ana, amei ler aqui, pois é, a morte não é algo que se possa desejar aos que não estão em conformidade com as nossas aspirações, pois como a vida é eterna e só se muda a roupagem, essa tal "dama temida" é pura ilusão!
    Viver e seguir em frente até o dia em que se perde a alegria, o interesse, o entusiasmo, pois vida é movimento, sendo assim...
    Morrer é tão natural quanto viver, só se sofre por termos mesmo de continuar sem a presença dos que nos são caros, mas mesmo assim, quando se acredita que, "eles" não nos abandonam, aí seguimos com força e fé!
    Amiga, desejo uma linda continuação de vida para você nos meses que se seguem, pois só os meses se repetem, a vida é rica e nada acontece duas vezes do mesmo jeito, portanto bom seguimento!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  3. Quase se prendeu aqui... no peito...
    Belíssimo, Ana!
    Feliz 2016!

    ResponderExcluir
  4. A morte faz parte da vida... Como vc disse, todos um dia morreremos. Viver intensamente é o que devemos fazer!
    Um 2016 feliz p vc e família, Ana! Muita paz, saúde e muita inspiração, de Janeiro a Dezembro!!

    ResponderExcluir
  5. Olá, Ana!
    Por mais que me façam mal, não desejo a morte ou algum mal à pessoa que me fez, luto por justiça.
    Se existem regras e as transgredimos, devemos responder por isso.
    Não sou santa, muito menos perfeita, mas me policio muito para não fazer mal aos outros, principalmente, depois de perder minha mãe e o culpado pedir perdão 50 anos depois.
    Acredito, que aqui mesmo, pagamos pelo mal que cometemos. Cometi alguns erros e amarguei minha vida inteira por isso.
    Torno transparente a minha vida, para que a minha morte não se perca entre tantos crimes sem solução.
    Eu amo a vida e faço o possível para viver e me relacionar muito bem com todos!
    Desejo a você e aos seus um feliz e próspero 2016...
    Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  6. Muito profundo o que dizes aqui, minha querida Ana. Eu, que já tenho mais anos percorridos no caminho da existência, de há muito costumo refletir sobre a morte, sem angústias nem medos, mas com uma enorme esperança e crença no que há de vir.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...