domingo, 10 de janeiro de 2016

O CONVITE











Era festa brava, 
Regada ao doce mel das favas,
(Às favas, os motivos reais
Para tal comemoração.)

As bandejas passando à altura dos rostos,
Os olhos compridos,
Os dedos ansiosos ao banquete posto:
Ao provar... - o desgosto!

Os tais canapés, recheados de pedras,
Quebravam os dentes de quem os provava,
Desciam lanhando  as gargantas, sem dó,
Tão inadequados à ocasião!

Mas era melhor mastigar e engolir,
Sempre sorrindo, sempre bem gentil,
Ignorando a brutal discrepância
Do anfitrião que tão mal lhes serviu?





4 comentários:

  1. São as tais decepções que a vida nos impõe. Ou serão os homens mesmos, em suas mesquinharias?

    ResponderExcluir
  2. A mau anfitrião, hoje sim, amanhã não.

    Um bom domingo :)

    ResponderExcluir
  3. Quanta força tem o teu poema, Ana !
    Muito bem estruturado e pleno de ritmo.

    Beijão.

    ResponderExcluir
  4. Neste novo ano estou a tentar visitar todos os amigos da Verdade Em Poesia afim de lhes desejar um 2016 muito feliz cheio de grandes vitórias e muita saúde e Paz.
    António.
    Ps. Tive de seguir novamente pois estava a seguir sem foto.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Anoitecer Suavemente...

Anoitecer devagarinho, Suavemente, Como uma teia de aranha que voa Pelo ar, Brilhando sem se notar... Anoitecer sem p...