segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

LOBOTOMIA







Me ensina,
Me asperge,
Me guia!

Fazei, com cuidado,
A lobotomia
Que poupe o trabalho
De fazer escolhas,
Pensar, decidir,
Varrer, do quintal
As folhas e frutos
Que eu mesma derrubo
Ou deixo cair!

Me mostra o caminho
Durante a viagem,
Me diz quando eu devo
Falar e calar,
E ter a fé cega
Que poupa o olhar
Mais meticuloso,
O olhar de entender,
O olhar de julgar
O que é bom ou mau,
-Me manda um sinal!

Eu fecho meus olhos,
Abaixo a cabeça,
Eu tapo os ouvidos,
Eu faço oferendas
Que custam-me o pão
Que a vida me dá
Pela salvação,
Por pura preguiça
De apenas pensar...




3 comentários:

  1. Bom dia Ana.
    Forte o teu poetar.
    Lúcido, esta é a palavra, pois que nos dias de hoje, muitos parecem estar assim, tanto, que não os permite enxergar a condição.
    Parabéns! Meu carinho

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...