domingo, 31 de janeiro de 2016

AGORA









Se eu pudesse dar-te algo,
Dar-te ia meu agora,
Puro,
Simples,
Sem passado,
Sem futuro,
Sem memória.

O agora
É o único instante
Que o tempo não carrega,
Não macula,
Não governa.

É o ponto de equilíbrio
Entre as ilusões de ontem
E o medo do amanhã.

É a linha que segura
E ampara
O amor que sempre dura.

É a eternidade rara,
Sem crenças,
Sem respostas
E sem perguntas.





6 comentários:

  1. O amor que sempre dura é o do momento vivido.

    Um beijo, querida Ana.

    ResponderExcluir
  2. Ana.... te vejo sempre no blog do Cadinho.
    Queria te seguir, pois adoro teus poemas.
    Como meu blog é com meus poemas eróticos, eu tenho receio de te constranger...
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Poema belíssimo, Ana!
    Gostei tanto que nem vou acrescentar, pois a representatividade do 'agora' foi lindamente delineada em seus versos.
    Também linda a imagem.

    Feliz semana e um maravilhoso mês de fevereiro.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Muito bonito! Achar alegria e felicidade no 'agora' vejo como bastante maturidade. Geralmente se pensa no passado ou no futuro; ou nos reportamos às lembranças, ou se vive de perspectivas futuras.
    Beijos, Ana.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...