segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Solitária Alma





Cansei de bater, cansei...



-Não, eu não fechei as portas,
Eu apenas as tranquei...
E aquela luz já mortiça, 
Com um leve sopro, apaguei!


Não foi preciso varrer
Tentando, assim apagar
As pegadas do caminho:
Elas já estavam ausentes.


Nem foi preciso morrer...
-Eu já estava mesmo morta,
Esquecida para sempre
Nos corações que eu amei,
Apenas me sepultei...


Cobri de terra o restante
Daquilo que eu achava ter sido,
E nem uma prece eu ouvi
Dos seus lábios ressequidos!


Acho até que nem notaram,
Que não fizeram questão...
Nem sequer sentiram a falta
De quem nunca precisaram!


Suas vidas continuam,
Continua a minha morte...
O cordão era tão fraco,
Que nem sentiram-lhe o corte!


Talvez alguma lembrança
De quem fui, tenha ficado
Ou meu fantasma 'inda assombre
O espaço inabitado...



E naquela fotografia,
Daqui a anos e anos,
Quando alguém me apontar
Indagando quem eu fui,


Uma sobrancelha erguida
De repente, lembrará
De quem fui quando era viva
E então responderá:



"Esta passou por aqui,
Mas nunca teve importância,
Confesso que não percebi
Sua ausência, sua distância...



Nenhuma falta nos fez,
Não deixou nada de bom...
Sei que tinha um estranho dom
Que ninguém compreendia,



Só sei que não se encaixava;
As linhas da sua vida
Estranhavam nossas palmas,
Eu não sei por onde anda
Essa solitária alma..."



A distância é muito longa,
Os caminhos se ornaram
De espinhos e silêncios...
E hoje, nem mesmo o vento
Poderá atravessá-los.




8 comentários:

  1. oi Ana

    em certos momentos o melhor mesmo é sair de cena.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  2. Ana é bem forte e, acho o pior sentimento, é sentir que não se é nada para quem a gente ama. Tenho 6 amores e nada sou para eles, a sua sensibilidade me comove, expressa exatamente como me sinto. Obrigada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  3. Que poema, Ana!
    Tão expressivo, tão forte e pleno de desalento.
    E ainda mais: tocante!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Olá Ana
    Chegar a essa conclusão e pior que a própria morte.
    Bjux

    ResponderExcluir
  5. Há certos momentos da VIDA que somos obrigados a trancar as portas e janelas, entrarmos em contato com uma solidão íntima para depois seguirmos adiante mais fortes e resolvidos das incertezas... Amei este teu poema de um lamento intenso e real... Muitas vezes me sinto exatamente assim...

    ResponderExcluir
  6. Superdenso e reflexivo!
    Alma expressando os seus momentos de busca...

    Abraços

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Exageros

    Assisti a um vídeo na internet no qual uma drag queen montada dava palestras em uma escola para crianças que, aparentemente, t...