FATALIDADE






Um dia,
Esse beijo, meu anseio,
Queimará o meu rosto,
E esses braços
Que hora me acolhem
Num terno abraço,
Serão meu sufoco.

As mãos que me acariciam
Um dia, atirarão pedras
No meu dorso nu.
A voz que me tranquiliza,
Gritará palavras
Que soarão doloridas
Aos meus ouvidos...

E depois, transido de dor
E de arrependimento,
Pedirás desculpas,
E eu te desculparei,

Pedirás um abraço,
E eu te abraçarei,
Pedirás o meu beijo,
E eu te beijarei,
Pedirás um afago,
E eu te afagarei...

Mas tome cuidado,
Pois não haverá outra chance,
Só esta,
Que te darei.

E te darei
Porque te amo,
Só porque te amo,
Só porque...





Comentários

  1. Ana, o meu maior erro foi permitir que se tornasse um hábito, cedendo, acreditava na mudança e, quem mudou fui eu, me tornei descrente e amarga. Hoje, refeita. Graças a Deus, obrigada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  2. Excelente!

    Parabéns, Ana!

    Muito bom!

    Receba o Carinho e Abraços Bem Espremidos da Cia. De Teatro Atemporal!

    Clemente.


    ResponderExcluir
  3. Olá Ana,

    Creio que o amor nos faz perdoar como manda a Bíblia, ou seja, setenta vezes sete. A força do amor é imensurável. Todavia, há casos em que, embora perdoando, o afastamento se torna impositivo.

    Ambos os poemas são lindos.

    Obrigada pelo carinho e pela companhia nesses quatro anos de existência do meu Recanto. Grata, também, por ter vindo celebrar comigo.

    Beijo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos