ORVALHO




Enquanto as gotas formavam-se, anônimas,
Sobre as pétalas abertas da manhã,
As abelhas colhiam o orvalho
Sem saber do veneno
Que levavam às suas colméias. 

As abelhas zuniam,
Pousavam, inocentes,
Levando nas patas
A matéria para o mel mais amargo,
Matando a alma do bardo,
Produzindo amargo fel.

Mas quando a luz da manhã
Refletiu a cor verdadeira
Do veneno que brilhava
Por dentro das gotas translúcidas,

Retiraram-se as abelhas,
Recolheram-se às colméias,
Deitaram às favas suas favas,
Lavaram bem as suas patas
Nas águas claras do rio...





Infelizmente, na vida real, não é assim que acontece; as abelhas estão desaparecendo a cada dia, mergulhadas nas gotas orvalhadas de agrotóxicos usados nas plantações. Uma perspectiva terrível, pois elas são responsáveis pela polinização de muitas espécies de plantas, e necessárias à produção agrícola.






Comentários

  1. Lindo poema e triste constatação ao final.né? Uma pena ! bjs, lindo setembro! chica

    ResponderExcluir
  2. Zumbida faina, delicadas tarefas, floridas rotinas em mágica poesia cantadas.

    Um abraço, Ana.
    Calu

    ResponderExcluir
  3. É triste, Ana, acredito que as abelhas são as mais prejudicadas, com veneno e poluição. Tenho umas caixinhas aqui e nem mexo, apenas observo seu trabalho contínuo, sem descanso, que com o desmatamento, saindo um grande condomínio, deixarão de existir, não haverá mais mata. Elas só precisam da planta que lhe dê o alimento...
    Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  4. Que triste fim das abelhas que,inocentes,cavam o próprio fim! Muito tocante poema. bjs,

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos