sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Leituras








Leituras



Recentemente, li as "Cartas de Van Gogh." No prefácio, é dito que ele perdeu uma posição como pastor porque não era suficientemente eloquente ou convincente para encantar e convencer os fiéis. Penso que estes últimos não gostavam de poesia. As "Cartas a Theo," de Vincet Van Gogh, formam um dos relatos mais humanos e comoventes que já li. Nelas, ele revela ao irmão suas fraquezas, seus sonhos e seus medos. Talvez, se ele não as tivesse escrito, pouco saberíamos sobre a personalidade deste grande artista. Infelizmente, enlouqueceu e suicidou-se por não sentir-se aceito em um mundo de pessoas preconceituosas que não o compreendiam.

Também li alguns livros de Paulo Coelho - o escritor que muitos consideram uma fraude, e a quem, movida pelas opiniões alheias, passei muito tempo criticando e evitando, com aquela famosa atitude de quem não comeu e não gostou (afinal, odiar Paulo Coelho é sinal de inteligência) - e percebi que ele é um excelente cronista. Um dia, segurando um de seus livros, disse a mim mesma: "Tenho que encontrar o que as pessoas tanto falam." Não encontrei em "Diário de um Mago," mas em "Verônica Decide Morrer" e "Nas Margens do Rio Piedra eu Sentei e Chorei." Daí, comprei um livro de crônicas, que apreciei muito. É preciso vencer preconceitos e tapar os ouvidos às críticas daqueles que se acham em posição de determinar o que é bom ou o que não é bom.

Um dos livros mais belos que já li, chama-se "O Convite, de Oriah Mountain Dreamer. Um livro mundialmente famoso e aclamado, (embora muitos que nem sequer o leram, e se o leram, não admitem que gostaram, teimam em criticar) que é pura poesia e traz pensamentos maravilhosos sobre o viver. Impossível não gostar, pelo menos, da apresentação do livro. Mas as almas mais 'cultas' o considerarão um simples livreco de autoajuda sem valor.

Minha mãe presenteou-me, há muitos anos, com sua Bíblia pessoal. Ela me chegou cheia de anotações, textos sublinhados, fotografias e flores secas entre as páginas. Meu trecho favorito, é o Eclesiastes. Uma lição de vida. Um pequeno trecho: "Todos vão para um lugar; todos são pó , e todos ao pó tornarão. Quem adverte que o fôlego dos homens sobe para cima, e que o fôlego dos animais desce para baixo da terra? Assim que tenho visto que não há cousa melhor do que alegrar-se o homem nas suas obras, porque essa é a sua porção; porque quem o fará voltar para ver o que será depois dele?" O maior livro de autoajuda já escrito!

E ainda mais adiante: "Também vi que todo o trabalho, e toda a destreza em obras, traz ao homem a inveja do seu próximo. Também isto é vaidade e aflição de espírito." 

Os provérbios de Salomão são lindos e encantadores. Neles, um homem desnuda sua alma e revela toda a sabedoria que está dentro dela. Um trecho (sublinhado por minha mãe): "O homem perverso levanta a contenda, e o difamador separa os maiores amigos." E ainda: "O perverso de coração nunca achará o bem; e o que tem a língua dobre virá a cair no mal." E também: "Quanto ao soberbo e presumido, zombador é seu nome: trata com indignação e soberba."

A Bíblia conta também as histórias dos povos antigos: seus costumes, suas crenças. É claro que existem trechos velados de mistério (acredito mais que assim sejam pela dificuldade de tradução do que por outro motivo qualquer). Mas também há - dizem - muitos livros da Bíblia que foram queimados e outros que foram modificados pelos censores da mente e do coração, aqueles que achavam-se no direito de intervir na liberdade de pensamento e crença, e que intitulavam-se superiores e detentores da sabedoria, e assim, elegiam a si mesmos para separar o que consideravam 'joio' daquilo que consideravam 'trigo.' Uma grande perda para a humanidade, a meu ver.

Um outro livro inesquecível, é "Olhinhos de Gato," de Cecília Meireles. Um livro veladamente autobiográfico e encantador, no qual ela fala de sua infância, da morte de seus familiares e das pessoas da casa onde ela cresceu. Pessoas que poderiam ter sido esquecidas para sempre, se não houvesse uma Cecília Meireles disposta a colocá-las em um livro. Uma escritora das mais sensíveis e inteligentes. Jamais teve medo ou vergonha de mostrar sua alma.

São estas as leituras que eu gosto: aquelas cujas páginas foram preenchidas por palavras que foram escritas por alguém que usou como tinta de pena, o próprio sangue. Não dou tanta importância à gramática, pois como dizia Patativa do Assaré, "É melhor escrever errado a coisa certa do que escrever certo a coisa errada."




8 comentários:

  1. Querida Ana
    A tua análise deixou-m encantado !
    Cada vez teadmiro mais.

    FELIZ NATAL, ANA !

    Um beijo muito amigo.

    ResponderExcluir
  2. Olá!!!, Deus seja contigo, tenha um final de semana abençoado,
    amiga que belo texto amei SUCESSO AMIGA.
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/
    Canal de youtube: http://www.youtube.com/NekitaReis

    ResponderExcluir
  3. Olá.
    Tomara que você esteja bem.
    Tomara que o seu fim de semana, seja maravilhoso.
    Que a felicidade, beije você, sempre.
    Bom fim de semana, com muitos risos.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Alô, ontem participei num colóquio sobre literatura e disse que cada peça literária é, por força uma proposta de que se gosta ou não. Houve também alguém a dizer que quem escreve e publica um livro, lançou uma obra literária, passa a ser escritor. Com estes dados, nunca se pode menosprezar que escrever porque pode estar a menosprezar, porventura a sensibilidade de quem gostou.
    Desejos de FELIZ NATAL!
    Beifos

    ResponderExcluir
  5. Venho desejar-lhe a si e sua Família
    um Feliz e Santo Natal.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  6. Oi Ana querida

    Sei que já te disse isso antes, mas adoro o jeito que você escreve. Tão claramente que fica gostoso de ler sempre.
    Adorei o post e as dicas dos livros.

    Beijos e uma semana linda pra você.
    Ani

    ResponderExcluir
  7. Oi Ana, você está se tornando a minha Bíblia, adoro sua forma de ver, sentir e expressar seu sentimento.
    Boas festas, que seja sempre muito abençoada, abraços carinhosos Maria Teresa

    ResponderExcluir
  8. Li atentamente cada linha Ana e parabenizo pela excelente varredura sobre a arte de escrever e de como não se deixar levar pelos estereotipados.É preciso ter sensibilidade ativa para saber circular pelas obras e delas extrair o supra sumo. Recentemente participei de um projeto escolar onde Drummond convidava Cecilia para um café e pude comprovar o que você aqui externa.
    Gostei amiga.
    Carinhoso abraço e bela semana.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Anoitecer Suavemente...

Anoitecer devagarinho, Suavemente, Como uma teia de aranha que voa Pelo ar, Brilhando sem se notar... Anoitecer sem p...