segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

CURA






Às vezes, a cura
É escura,
Cicuta lambida
Da pedra dura 
Da vida.

Escuta,
Corta a veia,
Deixa jorrar
A carótida
Sobre o altar!

Dezfaz-te do mal,
Desfaçatez!
Limpa a escura tez,
Joga sal
Na ferida,
Te apruma
Com a dor ardida
E te cura!


Um comentário:

  1. Oi Ana, precisava me desfazer do mal, que tanto me doia, jogar sal na ferida, para parar de sangrar, agora já aliviou.
    Menina, você é demais, capta tudo, abraços carinhosos, Maria Teresa

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...