terça-feira, 2 de agosto de 2016

A BONECA E O TEMPO


Achei esta imagem no Google. Esta é exatamente a boneca que eu sonhava, com a mesma roupinha e as mesmas botas brancas.




Eu Era menina ainda. Esperava pelo natal e pela boneca que pedira. Começava a sonhar com ela em meados de setembro, pouco antes do meu aniversário, pois já tinha sido avisada de que a grande boneca que eu sempre sonhara, mais uma vez não chegaria. Quem sabe, no natal? E sonhando, eu a imaginava (e ela era como uma criatura viva). Escrevia-lhe cartas, criava uma personalidade e um nome para aquela boneca que nunca entrou na minha vida. E o tempo demorava a passar.
Embora o Natal parecesse não chegar nunca, esperar e sonhar era o mais gostoso. Instintivamente, eu sabia que não ganharia a boneca, pois ela era cara demais e meus pais não tinham condições de comprá-la para mim, mas nada me impedia de sonhar, e ela já era real, existia em minha mente e nas cartinhas que eu escrevia para ela.

Às vezes, íamos à loja na qual ela estava, exposta ao público, enorme – era quase do meu tamanho – os olhos azuis de vidro fitando um mundo que eu ansiava desvendar. E eu tocava a sua mão de borracha macia, admirava seu vestido e seus cabelos encaracolados.

A moça da loja me disse que ela andava, e que para isso, bastava que colocássemos pilhas e fôssemos puxando-a para frente. Quando minha mãe dizia que tinha que ir embora, eu ia de mãos dadas com ela, olhando para trás até que a boneca desaparecesse entre as muitas pessoas que circulavam pela loja.

O Natal chegava, e a tão sonhada boneca, não; mesmo assim, após o momento de decepção, eu acabava me alegrando com a boneca bem menor que eu recebia. E continuava sonhando com ela, escrevendo-lhe cartas, tornando-a cada vez mais real na minha vida.

Certo dia, ao passar pela calçada da Rua Paulo Barbosa (eu já estava casada naquela época), olho para cima e vejo, na vitrine de uma loja que consertava brinquedos, a boneca que eu sempre sonhara. Continuava com seus olhos azuis fitando o vazio, braços estendidos à frente do corpo, esperando que eu fosse busca-la. Eu estava com minha mãe naquele dia, e ela me disse: “Veja! Agora você tem condições de comprá-la!” Pensei um pouco, e concluí que certas coisas tem seu tempo, e que a boneca, que antes era uma criatura viva e com personalidade definida, agora não passava de uma simples boneca, sem vida e sem magia.

O tempo passou rapidamente depois daquilo – é engraçado, mas nos dias de hoje, em que tudo é muito e os fatos e informações acontecem tão rapidamente que a gente nem tem tempo de assimilar, o tempo parece que se dissolve e é levado pelo vento, junto com pedaços da gente. Lá se foi a minha infância. Lá se foi a minha juventude. Estou entrando na última fase da vida.

A boneca ficou para trás, como um velho amigo de infância por quem passamos na rua e com quem um dia tivemos muito em comum, mas que a vida e suas urgências afastou de nós para sempre.




PS: Meu número de seguidores vai diminuir drasticamente, pois estarei deixando de seguir vários blogs que eu acompanho há muitos anos, desde que entrei nesta plataforma em 2012, e que apesar de serem meus seguidores, jamais entraram em minhas páginas para deixar um comentário sequer. Blogs que decidi seguir porque achei-os bacanas, e também porque eles começaram a me seguir primeiro, e eu acompanhei. Sei que não tenho tido tanto tempo para ler e comentar todos que eu gostaria, mas apesar da falta de tempo e da conexão de internet quase sempre lenta, de vez em quando, eu estou lá. Mas quando alguém que a gente lê e comenta jamais nos lê ou comenta, é porque ou não gosta da gente, ou então não gosta do que escrevemos. 






7 comentários:

  1. oi Ana,

    A vida é assim a gente quer uma coisa sonha, e passa o tempo e parece que tudo perde a graça.
    Lembro que essa boneca era cara e extremamente linda.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  2. Amiga Ana, lendo seu texto me senti em minha infância também, com minhas lindas imaginações e não foram realizados os sonhos exatamente porque meus pais também não podiam me dar a boneca ou o brinquedo desejado!
    Amei ler aqui e deixo um abraço bem apertado!

    ResponderExcluir
  3. Que lindo,Ana! E a boneca, lembro bem dela! Mas tuas palavras mais lindas que ela! bjs, chica

    ResponderExcluir
  4. Boa noite, querida Ana!
    Sabe o que fiz com meu desejo? Comprei uma igualzinha pra filha e me realizei por completo vendo-a brincar... mas tudo enquanto se pode, claro!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  5. Ah nossa infância foi muito gostosa. Lembrei da bonequinha ,afinal tinha várias irmãs e amiguinhas. Saudades...

    ResponderExcluir
  6. Oi Ana, tudo bem? Nossa, realmente gostei desse texto. A vida da gente vai se esvaindo, as coisas vão passando. Parece que foi ontem que fiz 15 anos e hoje já estou com 22 anos. Sei que sou jovem, mas essa passagem do tempo me assusta. E se eu chegar aos 30 sem ter feito o que sonhava fazer? Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Boa noite, Ana, a boneca desejada não é mais que um símbolo, não é mesmo?
    Quis bonecas como muitas meninas e já com 13 anos, ainda trabalhando no bar com meu pai, sem nunca receber nada, um dia me deu 3 cruzeiros, que gastei, sem demora, na Clipper que era na esquina, da rua do bar do meu pai, na compra de l calcinha de renda rosa.
    Quando me perguntou o que havia feito com o dinheiro, respondi logo, - Comprei uma calcinha!
    Pra mim era tudo que mais queria, já que só recebia a roupa, que a minha madrasta jogava.
    Nunca mais me deu dinheiro e eu lhe entregava, todo mês, o meu envelope fechado, quando aos 18 anos, saí de casa e fui trabalhar na Volks, com meu primeiro salário, comprei uma enorme boneca.
    Hoje, luto por um sonho que tenho desde nova, mas que, pelo jeito, não conseguirei mais realizar.
    O tempo está voando, não dá tempo mais de sonhar, temos mesmo que nos acomodar!
    Felizes dias, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...