quarta-feira, 10 de agosto de 2016

COSTURA




Segura firme
As linhas poucas
Da tua costura,
Pois que elas abrem,
Pois que elas fendem,
Pois que elas mostram
O que te resta
Da tua pouca
Compostura!

Estica a linha,
Passa na agulha,
Costura o rasgo
Dessa lisura,
Que só atesta
O que te resta,
Essa fratura
Na tua testa!

Prende bem forte
Borda por cima
Um sol ardente
Nesse teu medo,
Nesse teu asco
Que nunca mente
Sobre a mentira
Que é tua vida:
Retalho podre
De podre  fita!







5 comentários:

  1. Ah amei! Adoro poemas assim, que comparam sentimentos/emoções com objetos/ações. Bem legal!

    ResponderExcluir
  2. As costuras e emendas vão deixando cicatrizes até que a alma se purifique e, decantada da pobre vida, possa galgar o curso estelar supremo. Meus aplausos, Ana, por mais essa preciosidade poética encantadora.

    ResponderExcluir
  3. Lindo poetar amiga Ana, tens uma boa intimidade com as palavras, bem assim, a vida é de muitos remendos, até que chega um dia em que não há mais como remendar!
    Ah, os versos:"...prende bem forte/borda por cima..."diz muito mais do que tudo!
    Abraços bem apertados!

    ResponderExcluir
  4. Há quem nenhuma costura remenda Ana.
    Bonito e forte inspirar.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Ana, a beleza de seus versos não pede sequer um alinhavo. E abordam rasgos que nenhum bordado é capaz de disfarçar. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Exageros

    Assisti a um vídeo na internet no qual uma drag queen montada dava palestras em uma escola para crianças que, aparentemente, t...